A Natureza Fraudulenta da Indústria Farmacêutica

post-01-25-1

As Leis do negócio farmacêutico com a doença.

Algumas pessoas podem achar que a indústria farmacêutica não pode ser tão ruim assim. Infelizmente, ela é mais do que imaginamos. Felizmente porém, é muito fácil para todo mundo entender por que esta indústria tem um efeito tão negativo sobre milhões de vidas humanas.

Não se trata de drogas individuais ou empresas individuais. É sobre os princípios, as leis da indústria farmacêutica no “negócio com a doença”. As mais importantes destas leis podem ser resumidas da seguinte forma:

  1. A indústria farmacêutica não é uma “indústria da saúde”, mas um “investimento de negócio“, que prospera com a continuação e expansão das doenças.
  2. A indústria farmacêutica fatura mais de 500 bilhões de dólares em lucros a cada ano, mas apenas enquanto a doença existir como seus mercados.
  3. A indústria farmacêutica construiu e mantêm o maior negócio de fraudes na história da humanidade: ela promete saúde para milhões de pessoas, mas em vez disto oferece serviços de saúde, a indústria farmacêutica oferece cada vez mais doenças (através de suas vacinas e “medicamentos”), porque as doenças são a base econômica para a existência do seu investimento neste negócio.
  4. A fim de proteger seus mercados de (doença/investimento) de bilhões de dólares como doenças cardiovasculares, câncer, AIDS e outras doenças chamadas crônicas, a indústria farmacêutica faz de tudo para manter estas doenças e proibindo a divulgação de qualquer cura.
  5. A “mercadoria” bilionária da indústria farmacêutica são as drogas sintéticas que são patenteadas, a fim de garantir grandes lucros com taxas sobre suas patentes. Somente moléculas sintéticas recentemente inventadas podem ser patenteadas, o que explica a taxa de toxicidade e morte em pessoas que tomam estes medicamentos.
  6. Ao construir este “negócio com a doença” ao longo do século passado, a indústria farmacêutica já arrecadou tanto dinheiro com esta fraude organizada que se tornou uma das maiores e mais rentáveis indústrias do nosso planeta atualmente.
  7. A indústria farmacêutica investe estrategicamente alguns bilhões dos lucros de seu negócio global fraudulento para se infiltrar em todos os setores da sociedade e influenciar a opinião pública ao redor do globo.
  8. Para cobrir a dimensão genocida de seus negócios fraudulentos, a indústria farmacêutica está gastando o dobro da quantidade de dinheiro que gasta em pesquisa, a fim de manipular a opinião pública e encobrir o seu “negócio com a doença”, difundindo a falsa promessa de drogas saudáveis.
  9. Vitaminas, micronutrientes e outras abordagens naturais da saúde são os arqui-inimigos da indústria farmacêutica, porque eles não são patenteáveis. Ainda mais importante, eles efetivamente ajudam a prevenir e controlar as doenças, porque corrigem o mau funcionamento de milhões de células em nosso corpo que são a principal causa das doenças. Meia dúzia de prêmios Nobel foram concedidos para as descobertas científicas em pesquisas sobre vitamina, mesmo assim todo este conhecimento foi proibido de ser aplicado na medicina em favor dos negócios de vários bilhões de dólares de investimento com os medicamentos patenteados que não curam.
  10. Cada país deve decidir se quer manter um sistema de saúde orientado a indústria farmacêutica fraudulenta baseado na expansão das doenças ou se quer desenvolver um novo sistema de saúde com base na cura eficaz da doença de forma natural, objetivando prevenir e finalmente erradicar as doenças.

O negócio da fraude farmacêutica, obviamente não é um negócio que cresceu naturalmente. Desde o seu início há cerca de um século atrás, foi projetado, construído e alimentado como uma gigantesca fraude organizada sobre a saúde e a vida de cada homem e mulher neste planeta.

Os arquitetos inescrupulosos desta maior fraude na história da humanidade estão listados abaixo. Estas partes interessadas do cartel de drogas e seus fantoches na medicina, mídia e política, governos, estão ativos até hoje e são responsáveis por mais mortes do que todas as guerras da humanidade no seu conjunto.

Relacionado: O ex-Doutor da Merck Prevê que Gardasil vai se tornar o grande escândalo médico de todos os tempos.

O Quadro Geral

post-01-25-2Às vezes é difícil de entender as complexas relações que existem entre os principais organismos internacionais, governos, associações comerciais e outras entidades “preocupadas” com a saúde. A consciência de como estas entidades se encaixam e suas respectivas funções corruptas, no entanto, é fundamental para a compreensão do quadro geral e toda a extensão da ameaça à sua saúde manipulada por esta rede de grupos de interesses mesquinhos.

A História do Cartel Farmacêutico

1911, 15 de maio

post-01-25-3A Suprema Corte dos EUA julgou John Rockefeller culpado de corrupção em contrato comercial ilegal e extorsão. Como resultado desta decisão, toda a “Rockefeller Standard Óleo Confiança”, a maior empresa do mundo naquela época, foi sentenciada a ser desmantelada. Mas Rockefeller já estava acima do supremo tribunal e não se preocupou com esta decisão.

1913
A fim de desviar a pressão pública e política sobre ele e outros barões ladrões, Rockefeller usou um truque chamado “filantropia”: ele usou parte dos ganhos ilegais de suas práticas de roubo no negócio do petróleo para iniciar a Fundação Rockefeller. Este paraíso fiscal foi usado para atuar estrategicamente sobre o setor dos cuidados de saúde nos EUA.

A Fundação Rockefeller foi à organização de fachada para um novo empreendimento global de Rockefeller e seus cúmplices. Este novo empreendimento foi chamado de “investimento de negócios farmacêuticos”. A doação da fundação Rockefeller foi apenas para as “escolas médicas e hospitais”, que se tornaram missionários dos medicamentos patenteados, desenvolvidos por uma nova geração de empresas, fabricantes de patentes das drogas sintéticas.

Este foi também o tempo, em que as primeiras vitaminas foram descobertas. Logo ficou claro que estas moléculas naturais tinham o poder de salvar vidas e trazer benefícios a saúde, conseguindo prevenir muitas condições crônicas de saúde. Misteriosamente os primeiros livros que apareceram com as pesquisas sobre os benefícios de saúde das vitaminas foram abandonados. Estas moléculas recém-descobertas tinham apenas uma desvantagem: elas não eram patenteáveis.

Relacionado: Limão e Bicarbonato de sódio combinação milagrosa: 10, 000 vezes mais potente do que a quimioterapia !

Assim, já em seus primeiros anos de existência, o “investimento de negócio farmacêutico” enfrentou um inimigo mortal: vitaminas e outros micronutrientes promovidos pelos programas de saúde pública que estavam inviabilizando o desenvolvimento do investimento em qualquer grande negócio com base em medicamentos patenteados que não curam. A eliminação desta competição indesejada de micronutrientes naturais tornou-se uma questão de vida ou morte para a indústria farmacêutica.

1918
A Fundação Rockefeller usou a epidemia da gripe espanhola e os meios de comunicação que eles já controlavam neste momento, para iniciar uma caça às bruxas em todas as formas de medicina que não fossem cobertos por suas patentes.

Dentro dos próximos 15 anos, essencialmente todas as escolas médicas nos EUA, a maioria dos hospitais e a Associação Médica Americana se tornaram peões da indústria farmacêutica no tabuleiro de xadrez da estratégia Rockefeller para subjugar os setores dos cuidados de saúde como um todo sob seu monopólio no investimento de negócios farmacêuticos.

Disfarçada como uma “Madre Teresa”, a Fundação Rockefeller também foi utilizada para conquistar países e continentes inteiros com o “investimento de negócios farmacêuticos” assim como Rockefeller tinha feito isto há algumas décadas com o seu “investimento de negócio petroquímico”.

1925
Do outro lado do Atlântico, na Alemanha, o primeiro cartel “químico/farmacêutico” é fundado a fim de competir com a busca pelo controle do mercado mundial das drogas com a fundação Rockefeller. Liderado pelas multinacionais alemãs Bayer, BASF e Hoechst, o cartel IG Farben foi fundado com um número total de funcionários ultrapassando 80.000. A corrida para o controle global estava começando.

1929, 29 de novembro
O cartel Rockefeller (EUA) e o cartel I.G. Farben (Alemanha) decidiu dividir o globo inteiro em esferas de interesse, o mesmo crime pelo qual Rockefeller havia sido condenado 18 anos antes, quando sua empresa tinha dividido os EUA em “zonas de interesse”.

1932-1933
O cartel I.G. Farben igualmente insaciável decide não ficar vinculado as restrições de 1.929 . Eles apoiam a revolta de um político alemão (Hitler), que prometeu a IG Farben conquistar militarmente o mundo para eles. Com milhões de dólares em doações na campanha eleitoral este político tomou o poder na Alemanha, transformou a democracia alemã em uma ditadura e manteve sua promessa de lançar sua guerra de conquista, uma guerra que logo se tornou conhecida como a Segunda Guerra Mundial.

Em cada país que a Wehrmacht de Hitler invadiu, o primeiro ato foi roubar as “indústrias químicas, petroquímicas e farmacêuticas” e entregá-las de forma gratuita para o império IG Farben.

1942-1945
Para cimentar a sua liderança global com os medicamentos patenteados que não curam, o cartel IG Farben testa suas substâncias farmacêuticas patenteadas nos prisioneiros dos campos de concentração em Auschwitz, Dachau e muitos outros locais. O pagamento para a realização destes estudos desumanos foram transferidos diretamente das contas bancárias da Bayer, Hoechst e BASF para as contas bancárias da SS que operava nos campos de concentração.

1945
O plano da I.G. Farben de assumir o controle da indústria de mercados de petróleo e de drogas globais falhou. As forças aliadas venceram a Segunda Guerra Mundial. Enquanto muitos soldados aliados perderam suas vidas a sua recompensa foi pequena em comparação com as recompensas dos outros. As ações sociais dos perdedores I.G. Farben, foram para os Rockefeller (EUA) e Rothschild / JP Morgan (UK).

1947
No tribunal de crimes de guerra em Nuremberg 24 gerentes da Bayer, BASF, Hoechst e outros executivos do cartel da indústria IG Farben foram julgados por crimes contra a humanidade, incluindo líderança de agressão de crimes de guerra, escravidão e assassinato em massa. Em sua acusação final o Procurador Chefe dos EUA Telford Taylor resumiu os crimes cometidos por esses criminosos corporativos com as seguintes palavras: “sem a IG Farben, a segunda Guerra Mundial, não teria sido possível”.

Surpreendentemente os verdadeiros culpados pela morte de 60 milhões de pessoas na Segunda Guerra Mundial os executivos da IG Farben receberam os veredictos mais suaves. Mesmo os executivos diretamente responsáveis pelos crimes da IG em Auschwitz receberam um máximo de 12 anos de prisão. Surpreendido ? Não realmente.

post-01-25-4Já em 1944, Nelson Rockefeller tinha entrado no ramo executivo do governo dos EUA. Ele começou como subsecretário de Estado e terminou alguns anos mais tarde, como assessor especial do presidente Truman para assuntos especiais. Em outras palavras em momentos críticos do século 20, os interesses dos Rockefeller assumiram o comando direto do governo. Eles decidiram a forma do mundo pós-guerra e a distribuição de sua riqueza.

Sob a influência do departamento de estado, os veredictos em Nuremberg contra os gerentes da IG Farben podiam agora ser facilmente explicados. No retorno para assumir as ações corporativas da IG Farben e controlar deste modo o negócio global de petróleo e drogas, Nelson Rockefeller garantiu que os verdadeiros culpados da Segunda Guerra Mundial não fossem enforcados. Porque eles eram necessários aos seus interesses.

1949
A República Federal da Alemanha foi fundada. Esta foi a primeira vez na história, que a constituição e a sociedade de uma nação industrializada poderia ser planejada e modelada como uma fortaleza da indústria de “investimento de negócios farmacêuticos” um posto avançado transatlântico dos interesses dos Rockefeller.

Dentro de alguns anos, os gestores da I.G. Farben condenados em Nuremberg foram libertados da prisão e colocados de volta nas suas posições anteriores como partes dos interesses dos Rockefeller. Fritz Ter Meer, condenado a 12 anos de prisão por seus crimes em Auschwitz, estava de volta como presidente do conselho da maior multinacional farmacêutica, a Bayer da Alemanha. Já em 1963 !

1945-1949
O papel dos irmãos Rockefeller não se limitou em assumir o monopólio global ao tomar o controle do negócio de petróleo e drogas. Eles também necessitavam do quadro político para isto. Sob sua influência as Nações Unidas foi fundada em 1945 em San Francisco. Com o objetivo de assumir o controle político do mundo pós-guerra, eles usaram um truque para os países lutarem, três deles nações líderes de exportação de drogas tinham digamos tudo, enquanto as outras 200 nações foram definidas como inferiores, para serem espoliados.

Fundadas como organizações que supostamente servem o bem-estar das pessoas no mundo, as sub-organizações das Nações Unidas, como a Organização Mundial da Saúde (OMS), a Organização Mundial do Comércio (OMC) e outras, em breve acabaram por ser nada mais do que armas políticas do interesse mundial de petróleo e de drogas dos Rockefeller.

1963
post-01-25-5Em nome dos interesses dos Rockefeller, o governo da indústria da “república das bananas farmacêuticas” Alemanha, liderou um dos esforços mais infames já feitos no âmbito das Nações Unidas. Sob o pretexto de defesa do consumidor, eles lançaram uma longa cruzada de quatro décadas para proibir terapias vitamínicas e outras abordagens naturais de saúde “não patenteadas por eles”, em todos os países membros das Nações Unidas. O objetivo era simplesmente proibir toda e qualquer competição com o “negócio de bilhões de dólares com os medicamentos patenteados que não curam”. O plano era simples: copiar para o mundo inteiro o que haviam realizado nos EUA na década de 1920 um monopólio sobre os cuidados de saúde para o seu negócio de investimento com medicamentos patenteados que não curam.

Como o mercado de “investimento de negócios farmacêuticos” são as doenças existentes, as drogas desenvolvidas não tem a intenção de prevenir, curar ou erradicar doenças. Assim, o objetivo desta estratégia global foi de monopolizar a saúde de bilhões de pessoas com comprimidos que só escondem os sintomas, mas que nunca abordam a causa da doença. Privando bilhões de pessoas do acesso a informações que podem salvar suas vidas com os benefícios de uma abordagens natural no tratamento da saúde e ao mesmo tempo criando um monopólio com os medicamentos patenteados que não curam, na grande maioria ineficazes e sempre tóxicos, causando doenças e mortes em proporções genocidas.

Esta epidemia de incapacidade e morte desnecessária pelo “negócio farmacêutico com a doença” não tem paralelo na história humana.

Linus Pauling e outros eminentes cientistas merecem o crédito de ter mantido aberta a porta do conhecimento sobre os benefícios na saúde do uso de vitaminas e outras abordagens naturais eficazes na saúde. Se não fosse por eles, estaríamos vivendo em uma prisão de saúde atualmente, guardado pelos ladrões do negócio farmacêutico na medicina, políticos, governos, entidades médicas e os meios de comunicação.

Linus Pauling também recebe o crédito por ter identificado no início o significado de minha pesquisa de vitaminas e de doença cardiovascular tendo me convidado para acompanhá-lo durante seus últimos anos e poder continuar o trabalho de sua vida.

1990-1992
Este ano vai passar para a história como o início do fim do negócio farmacêutico com a doença. Em uma série de publicações científicas para alguns deles eu convidei Linus Pauling como coautor eu pude identificar a deficiência de micronutrientes como a causa primária. Estas doenças incluindo ataques cardíacos, pressão arterial elevada, problemas circulatórios, diabetes, câncer e até mesmo doenças como deficiências imunológicas, incluindo AIDS.

Como um Sherlock Holmes da ciência, eu segui a verdadeira causa destas doenças e descobri que estas causas foram deliberadamente mascaradas ou mesmo escondidas de milhões de pessoas com um único propósito: alimentar a ganância financeira insaciável do mercado farmacêutico com a doença.

©Fundação Dr. Rath Health

Origem: dr-rath-foundation

Tradução e Divulgação: A Luz é Invencível

Anúncios

21 comentários em “A Natureza Fraudulenta da Indústria Farmacêutica

  1. Acho que a industria farmacêutica produz “REMÉDIO”, a palavra já diz remedia, não cura. Uma das coisas que tem mudado a minha vida é exatamente o conhecimento de terapias alternativas como, EFT, TFT, CONSTELAÇÕES FAMILIARES E OUTRAS que me faz um bem grande. Se tenho alguma dor, faço o TFT e consigo resolver, e não é mágica é terapia do pensamento. Em depressão por exemplo, existe uma definição de psicoterapeutas, que é exatamente a pessoa que não tem um plano ‘”b”, deposita todas suas cartas em um determinado assunto ou pessoa, quando perde, o mundo acaba e os médicos receitam logo um Rivotril e diz; tem que tomar pra vida toda, e isso vicia as pessoas e não liberta, só alimenta. A medicina oriental é outra coisa que vem revolucionando há milênios, com técnicas simples e que funcionam maravilhosamente.

    Curtir

    • Olá Maria do Carmo

      Cada vez mais as pessoas estão despertando para a fraude que é a medicina ocidental, cujo objetivo é única e exclusivamente extorquir dinheiro dos “clientes”, receitando drogas que mascaram os efeitos, não tratam a causa e geram diversos efeitos colaterais que vão aparecer a médio e longo prazo, você está no caminho correto, terapias alternativas e medicina oriental tratam os pacientes de forma harmônica, equilibrando o físico com o emocional e o espiritual, a Luz é Invencível agradece por você estar desperta e não fazer parte dos incautos que ainda caem nas armadilhas desta medicina mercenária.

      Muita paz, luz, amor e expansão de consciência
      A Luz é Invencível ☼

      Curtir

  2. Pingback: MATRIX | ASCENSÃO PLANETÁRIA

  3. Uma forma de se diminuir o custo, dos medicamentos, acho só através da quebra de patente . O governo deveria ter mais imperatividade junto Industria Farmacêutica. Por outro lado nos praticamos a medicina curativa e dessa forma que a industria deita e rola. Sem comentários sobre a qualidade.Cade a medicina preventiva? Saneamento,educação….

    Curtir

    • Olá Alexandre

      Aos poucos as pessoas vão acordando e a nossa voz fica cada vez mais forte, chegará o momento em que eles serão obrigados a nos escutar e mudar o foco para o melhor para a humanidade.

      Muita paz, luz e expansão de consciência
      Dario

      Curtir

    • Olá Paulo

      Eu penso que cada um de nós pode contribuir com sua opinião, o que acaba enriquecendo o conhecimento de todos, devemos principalmente sair da dependência desta industria da morte, atingindo-os onde mais sentem, no “dinheiro”.

      Eu por exemplo, não tomo nenhum medicamento alopático, me trato com ervas ou homeopatia e vivo com uma qualidade de vida muito boa, como todos nós sabemos não existe nenhuma pessoa no planeta sem alguma doença (em função dos venenos na água/comida/ar) há uns 4 anos eu adquiri diabetes, mas vivo excepcionalmente bem, tomando medicamentos homeopáticos e acredito que pelos sintomas em alguns meses estarei curado, sim eu disse curado, coisa que a medicina convencional não admite/permite ser divulgado.

      Muita paz, luz, amor e expansão de consciência.
      Luz é Invencível

      Curtir

      • Oi Dario
        Se me permite a complementação da pergunta do Sr Paulo, penso que a alimentação seja uma chave importante, senão, primordial.Décadas de experiência pessoal me demonstraram que o regime vegano é saudável e apropriado para todas as idades.Estudos científicos comprovam que os veganos, em geral, apresentam menos probabilidades de contrair doenças degenerativas e cardiovasculares do que os ovo-lacto vegetarianos e estes menos do que os consumidores de carne.
        Não obstante, a maioria das pessoas não vegetarianas, continua a pensar que os veganos são indivíduos pálidos ou anêmicos, mas isto talvez se fundamente, em certos casos, quando há insuficiências nutricionais. Mas, tal como acontece em qualquer outro regime, se não houver equilíbrio e diversidade, o organismo não receberá todos os nutrientes necessários, o que resultará numa ou mais carências. Por exemplo, pão branco, margarina hidrogenada, comidas processadas, carnes de animais e fritos, não podem ser parte integrante do regime de nenhum ser humano.
        O princípio básico de uma alimentação vegana saudável, é consumir uma grande variedade de vegetais cereais e frutas. Estes são extremamente ricos em fibras, vitaminas e minerais e os seus aminoácidos e anti-oxidantes são muito benéficos para o nosso organismo.Produtos alimentares refinados e modificados (de modo a se conservarem por mais tempo, por exemplo) são sinónimo de perda de nutrientes. Óleos não hidrogenados, farinhas e produtos integrais (massas, arroz, pão) e alimentos sem conservantes ou corantes devem ser prioritários, uma vez que são mais completos e não possuem químicas artificiais. Alimentos provenientes da agricultura biológica são mais naturais e seguramente os mais saudáveis.Mudando a nossa alimentação, poderemos sim evitar doenças, além de ter muito mais energia física e mental.

        Dario, Muito Obrigada Sempre pela oportunidade
        Mônica

        Curtir

  4. Olá meus amigos Da Luz é Invencível obrigada pelos posts pois tem me ajudado muito.Sinto não ter lhes conhecido antes, pois devo ter perdido muitas informações.Obrigada Deus por ter colocado vocês em meu caminho!!

    Curtir

    • Olá Maria

      Obrigado pelo comentário.

      Lembre-se, tudo acontece no momento certo, o importante é que agora estamos juntos nesta caminha do conhecimento e da evolução, mas caso queira ver posts anteriores, no canto superior direito você pode selecionar o mês onde terá acesso aos posts antigos.

      Muita paz, luz, amor e expansão de consciência.
      Luz é Invencível

      Curtir

  5. Acabou de afirmar há meses num canal televisivo o Bastonário da ordem dos médicos o que vem confirmar este artigo…. os medicamentos hoje são fabricados para manter a doença e não direcionados para a cura ..a cura afasta o cliente que tem forçosamente ser um consumidor diário dos ditos químicos….a industria farmacêutica tornou-se um negocio como outro qualquer necessita de clientes e de realizar lucros…..por isso neste mundo mesmo as profissões mais altruístas acabam rastejando no lucro e degeneram. Um medicamento que cure e que substitua vários medicamentos caros é retirado imediatamente do mercado.

    Curtir

  6. Estou paralisado, quando penso que já sei tudo, percebo que a carniça é de animais gigantescos,vamos continuar com nosso trabalho de formiga em breve juntos estaremos carregando a carcaça deste monstro. Quem não cuida da saúde cuidará da doença.. Anauê.

    Curtir

  7. Pingback: A Natureza Fraudulenta da Indústria Farmacêutica – 26.01.2015 | Senhora de Sírius

  8. Há um tempo que sigo a «Luz é Invencível»
    Não posso deixar de parabenizar o seu, creio, principal responsável,pela seriedade responsável que mostra nos posts, sentimento que sinto estendido em Mônica, pelos seus constantes comentários que em muito enriquecem a matéria do post.
    A ambos, os meus reconhecidos agradecimentos. Continuem, cf diz a Mônica: “temos de aguardar a elevação dos valores, das consciências e dos objetivos reias de uma coletividade voltada para o Ser.”, aqui e em muitas outra matérias, verdadeiros desafios à Humanidade do presente.
    Permitam-me,
    Muita paz, luz, amor e expansão de consciência.

    Curtir

    • Olá Ivo

      Obrigado pelo comentário.

      As matérias postadas tanto por mim como pela Mônica buscam alertar e auxiliar na expansão da consciência, por isto é de extrema importância comentários como o seu, indicando que a nossa seriedade e qualidade em relação aos assuntos está sendo atingida, mas isto não quer dizer que não estamos buscando melhorar sempre, afinal, todos nós estamos nesta caminhada da ascensão.

      Muita paz, luz, amor e expansão de consciência.
      Luz é Invencível

      Curtir

      • Oi Dario,
        Permita-me agradecer as palavras do Sr Ivo, e dizer-lhe que o objetivo da “A Luz é Invencível”, é exatamente de divulgar e ampliar os conhecimentos de todos, esclarecendo e instigando o intelecto e o espírito de cada um á buscar por si mesmos os próprios caminhos, afim de fazermos todos juntos, uma Humanidade melhor.

        Dario, Muito Obrigada Sempre pela oportunidade.
        Mônica

        Curtir

  9. OI Dario,
    Imagina….Voce é suspeito, não vale.Uma realidade cruel, que esperamos, os despertos, quem acredita nesta mudança planetária, nas transformações da Consciência Humana, (como eu e acredito que também, voce), que saibamos primeiro cuidar de nosso próprio “templo físico”, para evitarmos as doenças, através de hábitos de vida saudáveis e boa alimentação.O resto, temos de aguardar a elevação dos valores, das consciências e dos objetivos reias de uma coletividade voltada para o Ser.Eu confesso que adorei o post.Meus parabéns também.E voce, sempre um gentleman.
    Abraços de sua amiga, Mônica

    Curtir

  10. Dario Bom dia,
    Um assunto que eu chamo de obrigatório para discussão, recheado de intrigas, mentiras e busca por poder e dinheiro,um “circo dos horrores” de proporções gigantescas.
    A maioria dos médicos,( que fique claro, que há exceções), recebe dinheiro ou presentes de laboratórios de uma maneira ou de outra: como consultores, como palestrantes em encontros patrocinados pela indústria, como autores-fantasma de artigos escritos pelas empresas ou seus agentes e como “pesquisadores” ostensivos de estudos que consistem meramente em medicar seus pacientes com uma droga e repassar os resultados à companhia. Outros ganham almoços grátis e presentes variados. Em contrapartida, a indústria subsidia a maioria dos encontros de associações profissionais e a maioria dos cursos de atualização exigidos dos médicos para que preservem sua licença.Ninguém sabe o quanto a indústria gasta com médicos, mas, lendo os números de estatísticas de revistas especializadas calculo, por seus balanços anuais, que o gasto das 9 maiores empresas cheguem a dezenas de bilhões de dólares! Por estes meios, a indústria farmacêutica ganhou enorme controle sobre o modo como os médicos avaliam e usam seus produtos. Seus laços com médicos, especialmente” catedráticos” em escolas médicas de prestígio(!), afetam os resultados da pesquisa, o modo de praticar a medicina e até a definição do que é “doença”.
    Considerando os ensaios clínicos de fármacos testados em seres humanos funciona mais ou menos assim; Antes de uma nova droga entrar no mercado, o fabricante deve patrocinar estudos clínicos para demonstrar à Food and Drug Administration(Anvisa no Brasil) que a droga é segura e eficaz, geralmente, em comparação com um placebo ou pílula falsa. Os resultados de todos os ensaios (pode haver muitos) são submetidos à FDA(Anvisa), e se um ou dois ensaios são positivos, ou seja, se mostram eficácia sem risco grave, a droga é normalmente aprovada, mesmo se todos os outros ensaios forem negativos! A droga é aprovada apenas para um determinado uso, por exemplo, para o tratamento do câncer de pulmão, e é ilegal promovê-la para qualquer outro uso.Mas o médico pode prescrever medicamentos aprovados “extra-bula”. Depois que a droga está no mercado, as empresas continuam a patrocinar os ensaios clínicos para obter aprovação para novos usos ou demonstrar “vantagem sobre os concorrentes”, muitas vezes apenas como desculpa para chegar ao médico (esses testes são adequadamente chamados de “semear estudos”).
    Como as empresas farmacêuticas não têm acesso direto a seres humanos, precisam dos ensaios clínicos em escolas médicas(!), onde pesquisadores usam pacientes de hospitais e clínicas de ensino, ou em empresas privadas de pesquisa.
    Mas, os patrocinadores preferem as escolas médicas, em parte porque a pesquisa é levada mais a sério, mas, principalmente, porque lhes dá acesso a influentes professores-médicos, os formadores de opinião(!), que escrevem livros e artigos em periódicos, lançam compêndios e guias práticos, integram painéis consultivos da FDA e de outros organismos governamentais, lideram associações profissionais e falam nos inúmeros encontros e jantares anuais sobre medicamentos prescritos.Décadas atrás, as escolas médicas não tinham relações financeiras extensas com a indústria, e os que faziam pesquisa com patrocínio da indústria, não tinham laços com patrocinadores. Mas as escolas agora têm acordos múltiplos com a indústria e estão em difícil posição moral para impedir que seu corpo docente se comporte da mesma forma(!). Inquérito recente, revelou que cerca de dois terços dos centros médicos acadêmicos têm participação em empresas que patrocinam pesquisa na mesma instituição(!). Estudo em escolas médicas, descobriram que, dois terços dos chefes de departamento recebem pagamento de empresas farmacêuticas e três quintos recebem renda pessoal! Como as empresas insistem, como condição para financiamento, que estejam intimamente envolvidas em todos os aspectos da pesquisa que patrocinam, elas podem facilmente direcionar o estudo para que mostrem seus medicamentos melhores e mais seguros do que são(!). Antes da década de 1980, professores pesquisadores tinham total responsabilidade pela condução dos trabalhos, mas agora, os empregados das empresas ou seus agentes frequentemente” concebem”os estudos, analisam, escrevem os papers e decidem “se e como” publicar os resultados. Às vezes, a faculdade médica pouco mais faz do que contratar mão-de-obra, fornecendo doentes e coletando dados segundo instruções da empresa(!)
    Muitas drogas ditas efetivas são pouco mais do que placebos, mas não há como saber porque os resultados são escondidos. Uma pista disso foi conseguida há seis anos por quatro pesquisadores que, com base no Freedom of Information Act, obtiveram revisões da FDA dos ensaios clínicos com placebo dos seis antidepressivos mais usados aprovados entre 1987 e 1999 – Prozac, Paxil, Zoloft, Celexa, Serzone e Effexor. Em média, em 80% os placebos foram tão eficazes quanto os medicamentos. A diferença entre droga e placebo era tão pequena que seria pouco provável que houvesse qualquer significado clínico(dados colhidos em teses sobre pesquisas farmacêuticas ligadas á efeitos biológicos dessas drogas no organismo).Os resultados foram praticamente os mesmos para as seis drogas: todas igualmente ineficazes. Mas como os resultados favoráveis foram publicados e os desfavoráveis enterrados (neste caso, na própria FDA/Anvisa, no Brasil)), público e médicos acreditavam que essas drogas eram potentes antidepressivos.Ensaios clínicos também são tendenciosos pela concepção de pesquisas escolhidas(!) para produzir resultados favoráveis aos patrocinadores. Por exemplo, a droga do patrocinador pode ser comparada com outro medicamento administrado em dose tão baixa que a do patrocinador parece mais poderosa. Ou uma droga para uso de idosos será testada em jovens, para que os efeitos secundários apareçam menos(vejam o tamanho do absurdo).
    Os laboratórios,por outro lado, aperfeiçoaram um novo e efetivo método de expandir seus mercados. Em vez de promover drogas para tratamento de doenças, começaram a promover doenças para encaixar suas drogas. A estratégia: convencer o maior número possível de pessoas (e seus médicos, claro) de que têm problemas médicos que exigem tratamento medicamentoso longo. Às vezes chamado de “mercantilização da doença”.
    Conflitos de interesses e preconceitos similares estão em praticamente todos os campos da medicina, especialmente aqueles que dependem fortemente de drogas ou dispositivos. Simplesmente não é mais possível acreditar muito na investigação clínica publicada, ou confiar no julgamento de médicos renomados ou guias médicos.Médicos, escolas médicas e associações profissionais não têm desculpa, pois devem responsabilidade aos pacientes. A missão de escolas médicas e hospitais universitários(!), é educar a próxima geração de médicos, promover pesquisas cientificamente importantes e cuidar dos integrantes mais doentes da sociedade. Não é envolver-se em lucrativas alianças comerciais com a indústria farmacêutica. Por mais condenáveis que sejam as práticas da indústria, o comportamento de grande parte da classe médica também não fica atrás, sem contar a dos pesquisadores, muitos catedráticos(!)
    O post é excelente, meus parabéns pela escolha, pelos grifos procedentes e a permissão de colocar aqui, algumas considerações minhas, baseadas em constatações de dados “in loco”.
    Deixo uma bibliografia, para quem quiser extender o assunto;
    “Our Daily Meds”-(Melody Petersen)
    “Saúde e Indústria Farmacêutica”-Ciro Mortella-
    “A Verdade sobre os Laboratórios Farmacêuticos”-Márcia Angell
    “Mala Farma”-Ben Goldacre

    “Se alguém procura a saúde, pergunta-lhe primeiro se está disposto a evitar no futuro as causas da doença”.(Sócrates).
    E outra genial;
    “È parte da cura, querer ser curado”.(Sêneca)

    .

    Curtir

    • Olá Monica

      Obrigado pelo comentário e presença.

      Normalmente você estende e complementa os artigos, mas neste você se excedeu, foi fantástica, magistral, perfeita, aliás de você nunca se espera e se recebe nada menos do que isto, parabéns.

      Muita paz, luz, amor e expansão de consciência.
      Luz é Invencível

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s