O LADO ESCURO DA LUA-primeira parte


posterior

Quem vê a Lua hoje em dia nada mais enxerga do que sua beleza enfeitando o céu noturno, mas a história dela foi bem conturbada e pode surpreender muitos de seus admiradores.Existem diversas teorias para embasar o surgimento da Lua, mas a mais conhecida(?) e aceita(?) por todos é a teoria da colisão.O planeta que colidiu com a Terra, levando à formação da Lua, pode ter tido uma composição similar à do nosso planeta, segundo um artigo publicado pela revista “Nature”, o que poderia ajudar a entender a origem do satélite natural. A história seria mais ou menos a seguinte;

“Certo dia, ainda na formação do sistema solar, um planeta chamado Theia, que tinha quase o tamanho de Marte, se chocou com a Terra. O impacto foi tão forte que pedaços de rocha quente foram jogados para todos os cantos no espaço e com o passar de milhões de anos, ele se aglomeraram novamente. No fim, a Lua acabou sendo criada.Quando  vemos a pequena Lua no céu hoje em dia e gostamos da imagem, certamente iríamos curtir muito mais há alguns bilhões de anos atrás,pois ela ficava muito mais perto da Terra, algo em torno dos 30 mil quilômetros, sendo que hoje ela está a mais de 300 mil.”

Post relacionado;sumeria-os-anunnaki-e-a-origem-da-humanidade

Concepção artística de uma colisão planetária mostram um impacto similar ao que teria ocorrido na Terra, levando à criação da Lua (Foto: Divulgação/Nasa/JPL-Caltech)

SEGUNDO OS CIENTISTAS….

Acredita-se que a Lua teve origem a partir da colisão com um objeto gigante, quase do tamanho de Marte, com a Terra, ainda em desenvolvimento. A hipótese é que o material que formou a Lua veio do impacto em si, que levou a expulsão de uma gigantesca nuvem de rochas e outros destroços.No entanto, o fato  das amostras do solo lunar recolhidas pela missão Apolo demonstrarem muitas semelhanças em relação ao solo terrestre,isso intrigava os cientistas. Isso porque outros corpos do Sistema Solar têm composições muito diferentes entre si.Para tentar desvendar esse mistério, um grupo de astrônomos, dirigidos por Alessandra Mastrobuno-Battisti do Instituto de Tecnologia de Israel, simularam colisões entre planetas e compararam a composição de cada planeta que sobreviveu ao impacto com a do corpo que se chocou contra ele.O resultado dessas simulações foi que de 20% a 40% dos corpos que impactaram tinham uma composição similar aos planetas com os quais colidiram, enquanto os planetas que se formaram como resultado desses choques tendiam a ter composições diferentes.O estudo/pesquisa assinala que combinando os resultados das simulações, se pode deduzir que o corpo celeste que colidiu com a Terra devia ter uma composição similar à de nosso planeta.

Outro estudo afirma que a Lua e a Terra se formaram mais tarde do que se pensava;Sabe-se que colisão que gerou os astros ocorreu há 4,5 bilhões de anos e os cientistas agora dizem que o choque ocorreu 120 milhões de anos depois.A pesquisa, realizada pelo Instituto Niels Bohr, da Universidade de Copenhague, na Dinamarca, foi publicada na revista científica “Earth and Planetary Science Letters”.Foi determinado a idade da Terra e da Lua usando isótopos de tungstênio, que podem revelar se o núcleo ferroso (dos planetas que se chocaram) e a sua superfície rochosa se misturaram durante a colisão”, explica Tais W. Dahl, autor do estudo.Contrariando pesquisas anteriores, Dahl mostra que a colisão não fez com que a camada de rochas e os núcleos se fundissem completamente durante o choque.

Um outro estudo publicado na “Science”, aponta que a água existente na Terra e na Lua pode ter a mesma origem. Os autores analisaram material vulcânico lunar trazido pelas missões Apollo 15 e Apollo 17, da NASA. Eles concluíram que os isótopos de hidrogênio que há nesse magma solidificado são semelhantes aos da água terrestre.Eles apontam ainda que as moléculas de água encontradas no magma lunar têm composição isotópica idêntica daquela encontrada em condritos carbonáceos, que são meteoritos muito antigos que podem ter trazido a água para nosso sistema solar há muitos anos.Com base nisso, os autores, que são da Universidade Brown, da Carnegie Institution e da  Case Western Reserve University, todas nos EUA, supõe que a Terra já tinha água quando ocorreu o grande impacto com um corpo celeste que teria dado origem à Lua.Outro estudo importante detectou água no interior de cristais sobre superfície da Lua;Cientistas analisaram amostras colhidas em missões espaciais da NASA.A superfície da Lua contém cristais com restos de água em seu interior, substância que pode ter chegado até o satélite natural através do vento solar, segundo estudo publicado  na revista científica “Nature Geoscience”.

(nota pessoal;A lua continua surpreendendo pesquisadores pela quantidade de água que contém. Quanto mais os astrônomos procuram o líquido, mais eles encontram, em diferentes locais e profundidades.A água, em forma de gelo, transformou-se em crateras. Estudos indicam que o interior da lua é muito mais úmido do que estimavam os pesquisadores (ainda que hiperárido, se comparado com o da Terra). Uma das possibilidades é que cometas gelados tenham colidido com a lua, originando parte substancial dessa água. Mas a questão da origem e distribuição do líquido na lua ainda é um mistério que deixa os cientistas intrigados.(?) 

A geóloga Yang Liu e seus colegas da Universidade do Tennessee, dos Estados Unidos,  analisaram amostras da superfície lunar colhidas do satélite pelas missões Apollo, a maioria delas pelo astronauta Neil Armstrong, e acharam restos de água em alguns de seus componentes.”Quando as pessoas pensam em água, sempre imaginam em estado líquido, em rios, lagos ou oceanos. Mas algo que não costumamos reconhecer é que existe uma grande quantidade de água armazenada em minerais”, explicou Liu. Ainda segundo a geóloga, os minerais do manto terrestre contêm, pelo menos, a mesma quantidade de água que um oceano, e algo similar pode acontecer na Lua. Análises posteriores revelaram algo similar entre estes restos de água e os íons de hidrogênio presentes no vento solar, o que sugere que este vento foi o responsável por transportar íons de hidrogênio até a Lua. Uma vez ali, estas moléculas ficaram armazenadas em forma de água no interior das amostras analisadas.O vento solar contém uma grande quantidade destes íons, que não chegam a tocar a Terra porque a atmosfera e o campo magnético terrestre o impedem, mas no caso da Lua não há nada que proteja sua superfície, por isso que o vento solar impacta continuamente contra ela. “Nos últimos anos, fomos testemunhas de uma mudança de paradigma em nossa visão ‘sem água’ da Lua”, afirmou a pesquisadora.

Post relacionado;operacao-do-projeto-lua

A FORÇA DAS MARÉS E SUA RELAÇÃO COM A LUA

As marés são conhecidas de todos, principalmente por aqueles que moram próximo ao mar e dele vivem. Muitos deles sabem prever a maré em função da Lua e do Sol, sem sequer saber qual a verdadeira relação existente entre esses dois astros com a Terra.Como sabemos, a Terra mantém-se em órbita ao redor do Sol graças à atração gravitacional que existe entre esses dois astros. De igual modo a Lua está presa à Terra.

Como sabemos a Terra realiza uma volta em torno de si mesma a cada 24 horas. Mas a Lua também se move e isso faz com que o ciclo de marés se complete a cada 24 horas, 50 minutos e 28 segundos em média. Como são duas marés, a água sobe e desce a cada 12 horas, 25 minutos e 14 segundos.O fenômeno das marés também é observado na parte sólida do planeta, mas com menor intensidade. O solo terrestre pode elevar-se até 45 centímetros nas fases de Lua Cheia ou Nova. Mas nós não percebemos, pois tudo a nossa volta levanta junto e não temos assim uma referência.Existe ainda um fato curioso: devido ao choque das marés com os continentes freia-se lentamente a rotação da Terra. Mas a quantidade de momento angular perdida pela diminuição da velocidade de rotação não pode desaparecer (conservação do momento angular) e portanto deverá ser transferida. Essa transferência dá-se para o nosso satélite natural, e por isso a Lua não descreve uma órbita elíptica mas, sim em espiral devido o aumento do momento angular da mesma em relação ao nosso planeta. Com isso, o afastamento anual produzido por esse retardamento da rotação da Terra é cerca de 3 centímetros por ano. Desse modo, o dia terrestre aumenta de 1 milésimo de segundo a cada 50 anos e o resultado final fará com que a Terra mostre sempre a mesma face para a Lua. Nessa ocasião o dia terrestre deverá durar cerca de 36 horas.

FONTE;CENTRO DE DIVULGAÇÃO DE ASTRONOMIA DA USP

O QUE SÃO AS MARÉS LUNARES?

Os pesquisadores verificaram que na faixa que vai dos 30 km aos 110 km de altura – e envolve a estratosfera e a mesosfera, na última estão as temperaturas mais baixas da atmosfera (até 100 graus Celsius negativos) – a temperatura pode oscilar até 8 graus ao longo do dia por influência, em grande parte, da atração gravitacional lunar. A força exercida pela Lua sobre o planeta provoca vibrações nas camadas mais baixas da atmosfera que se propagam para as mais altas na forma de ondas semelhantes às que surgem quando se agita uma corda. Assim como fazem a superfície do oceano oscilar, essas ondas, conhecidas como marés lunares, fazem a atmosfera pulsar. Nos oceanos, a força gravitacional da Lua se manifesta como uma mudança de altura, já na atmosfera, ela altera a temperatura ou a velocidade dos ventos.O mapeamento do INPE fornece as evidências mais abrangentes de que as marés lunares na atmosfera, de cuja existência já se duvidou, de fato existem e são importantes para conhecer melhor o clima de uma região do espaço habitada por satélites de pesquisa e comunicação.Do ponto de vista prático, conhecer melhor as variações de temperatura nessa faixa da alta atmosfera deve permitir a elaboração de modelos mais precisos de como funciona o clima em uma região ainda mais alta – a ionosfera, situada entre 100 km e 1.500 km de altitude –, onde estão os satélites de pesquisa e comunicação e é alta a concentração de partículas eletricamente carregadas. “Para modelar com precisão a ionosfera, não se pode mais ignorar fenômenos como as marés lunares”.

FONTE;PESQUISADORES INEZ STACIARINI BATISTA E PAULO PRADO BATISTA, AMBOS DO INPE;(Instituto de Pesquisas Espaciais);Pesquisas apresentadas no Journal of Geophysical Research.

links; A global view of the atmospheric lunar semidiurnal tide. Journal of Geophysical Research: Atmospheres

VOCÊ SABE QUAIS OS MOVIMENTOS DA LUA?

A Lua possui muitos movimentos, mas os principais são a rotação, a revolução e a translação.O Movimento de Translação da Lua é o que faz em torno do Sol acompanhando a Terra e sua duração é o de um ano, portanto 365 dias. Tal movimento é também denominado de “Revolução Lunar”, os dois pontos máximos de aproximação e afastamento entre a Terra e a Lua recebem, respectivamente, os nomes de perigeu e apogeu.A Rotação da Lua é o movimento que ela faz em torno de seu próprio eixo, e é realizado em igual intervalo de tempo; por essa coincidência, a Lua tem sempre a mesma face voltada para a Terra; Revolução é o movimento elíptico que a Lua executa ao redor da Terra.Esses dois últimos movimentos tem a mesma duração, pois são realizados, em tempos iguais,num período aproximado de 27 dias e 8 horas. Devido á igualdade nas durações desses dois movimentos,é que a Lua nos mostra sempre mesma única face.
Como a órbita da Lua também é elíptica, a distância Lua-Terra varia ao longo do período da revolução. A distância média da Lua á Terra é de aproximadamente 384000 quilômetros.

AS DUAS CARAS DA LUA

O lado negro da lua pode não ser visível da Terra, mas isso não impede que pesquisas se realizem lá. As marias, regiões escuras de magma resfriado, são praticamente ausentes por lá, como foi revelado por sondas e observado por astronautas do Apollo 8.Os hemisférios totalmente diferentes da lua podem ser explicados, em parte, pelo fato do lado escuro ter uma crosta espessa, com cerca de 15 quilômetros. O lado iluminado é mais propenso a se rachar com a colisão de meteoritos, que também espalham magma no local.

SERIA A LUA O MOTIVO PARA A NOSSA EXISTÊNCIA?

Com o quarto maior diâmetro e mais de 1% da massa da Terra, nossa lua é o quinto maior satélite natural do sistema solar, e o maior em relação ao seu planeta.Com sua massa considerável, a gravidade lunar estabiliza a oscilação do eixo terrestre, moderando nossas mudanças sazonais. Além disso, a lua tem função importante nas marés do oceano e pode ter ajudado na formação da sopa primordial, a mistura que teria dado origem à vida na Terra há mais de três bilhões de anos.Os astrônomos se perguntam se planetas semelhantes à Terra precisariam de grandes luas como a nossa para que a vida pudesse se desenvolver.Uma resposta pode estar no nosso vizinho vermelho, Marte. O planeta tem duas pequenas luas, que podem ter sido asteróides anteriormente. Nunca foi encontrada vida em Marte(?), algo improvável, mas não fora de questão. Os estudos para descobrir se alguma forma de vida surgiu por lá podem ser fundamentais para entendermos a influência das luas nos planetas, e como seria o desenvolvimento da vida na Terra sem ela.

(nota pessoal; Depois que tomamos conhecimento de que nossa história tem de ser reescrita e que muito se perdeu ou nos foi ocultado propositalmente, fica difícil acreditar nestas coisas ditas pelos cientistas, que com certeza, estão/permanecem calados á respeito de vida em outros planetas.Recomendo o livro “THROUGH ALIEN EYES”,DISPONÍVEL NA NOSSA BIBLIOTECA VIRTUAL)

Post relacionado;divulgacao-e-a-historia

AS CONTROVÉRSIAS-EX-GERENTE DA NASA DECLARA:

“-EXISTE CIDADE ALIENÍGENA NA LUA”

De acordo  Ken Johnston, ex-gerente do Departamento de Aeronáutica Nacional e Dados da Administração Espacial e do Departamento de Controle de Fotografias da NASA, que também trabalhou para a o Laboratório de Recebimento Lunar daquela agência durante as missões Apollo, ele foi mandado embora por falar a verdade. Johnston afirma que a NASA sabe que os astronautas descobriram cidades alienígenas antigas, bem como os restos de maquinários avançados na Lua. Alegadamente, alguma daquela tecnologia poderia manipular a gravidade.Ele diz que a agência ordenou o acobertamento e o forçou a participar dele.Nos últimos 40 anos outros cientistas, engenheiros e técnicos também têm acusado a NASA de acobertamentos e de ocultarem dados.(nota pessoal;O crescente número de acusações vai desde o fato de estarem escondendo informações sobre objetos anômalos no espaço e mentindo sobre a descoberta de artefatos na superfície da Lua e Marte, até a ocultação de evidência de vida relatada pela sonda Viking durante o meio da década de 1970.)

Imensas estruturas de restos de construções abandonadas existentes na Lua e encontradas pela Apollo XX.

De acordo com Johnston, os astronautas do projeto Apollo XX trouxeram para a Terra evidências fotográficas de artefatos encontrados durante suas atividades extra-veiculares na Lua. Johnston afirma que a NASA o ordenou a destruir estas imagens enquanto ele estava trabalhando para o Laboratório de Propulsão a Jato (Jet Propulsion Laboratory ” JPL), mas ele se recusou.Quando ele abriu a boca para imprensa, a agência o despediu.Em uma liberação para a imprensa, Kay Ferrari, diretora do programa SSA do JPL, disse que solicitou a Johsnton que pedisse sua demissão, pois ele havia publicamente criticado seu empregador.Quando Johnston recusou a pedir sua resignação, ele foi sumariamente despedido, sem justa causa.Após sua abrupta partida, ele indicou que estava saturado e cansado a respeito do governo dos EUA  e de  estar sentado em cima de provas por mais de quatro décadas, de que realmente há cidades alienígenas na Lua.

Foto da cidade “A Catedral” encontrada na superfície oculta da lua pela Apolo 20

 “Ferro velho” lunar? (Fotografado por astronautas da missão Apollo XX).Aparentemente algumas evidências de grandes estruturas e até de uma base lunar no lado oculto da Lua surgiram recentemente, as quais parecem dar respaldo às alegações de Johnston.

O que é que a NASA não quer que você veja nesta foto?
Donna Hare, que trabalhou como especialista ilustração e slide fotográfico alega que a NASA forjou milhares de fotos das missões, ofuscando e obscurecendo nelas as anomalias consideradas não apropriadas para o público em geral.Sendo estas somente algumas das muitas indicações de que há muito mais na nossa história do que dizem haver, agora só nos resta esperar para o dia em que aqueles sentados em cima das provas, finalmente percebam o mal que estão fazendo para a humanidade e acabem as liberando.

CONSPIRAÇÕES DA NASA

Segundo Richard Hoagland, diretor da Missão Marte (TMM), os astronautas da nave Apollo viram várias estruturas gigantescas na superfície lunar. Durante a missão, para essas informações serem passadas ao controle central, foi utilizado um canal de comunicação secreto.

Quando os astronautas regressaram à Terra, a NASA os proibiu de dizerem qualquer coisa sobre o que aconteceu. Hoagland e outros teóricos da conspiração dizem que o excessivo período de quarentena a que foram submetidas as tripulações das naves Apolo 11, 12 e 14 teve como motivo o fato dos astronautas terem que fornecer relatórios muito detalhados sobre o que viram e dar tempo à NASA de vetar as fotografias (e, com isso, criar desinformação). As autoridades não teriam desejado que o público tomasse conhecimento das ruínas destas antigas bases extraterrestres.O ufólogo Timothy Good, em seu livro Beyond Top Secret, informa que os astronautas viram alienígenas na Lua. A evidência seria uma conversação secreta entre o controle da missão e os astronautas da nave Apolo 11, registrada pelos soviéticos.  O Dr. Vladimir Azhazha, físico e professor de matemática russo, disse que o encontro aconteceu pouco depois alunissagem do módulo lunar, mas que o público não pôde escutar o informe dos astronautas, pois a NASA o havia censurado.

Maurice Chatelain, um especialista em comunicações da NASA, declarou que “o encontro com os OVNIs era perfeitamente conhecido pela NASA” e que “todas as missões Apollo tinham sido seguidas por OVNIs”. Isto sugere que a NASA está disposta a admitir perante o mundo que seus astronautas tinham sido vigiados de perto por OVNIs e que encenaram as fotografias aqui na Terra para não assustar o público com o que realmente acontecia no espaço.(nota pessoal;Uma das questões mais intrigantes sobre a Lua é por que a NASA não enviou mais astronautas depois das missões Apollo e por que não tem a intenção de fazê-lo no futuro. Será que a Lua já teria entregado todos os seus segredos? Ou será que nós, humanos, fomos proibidos por outra inteligência de pisar lá de novo?)

A ciência está confusa com o fato de que algumas imensas crateras lunares são, na verdade, vulcões ativos. Durante as missões Apolo, foram observadas e medidas erupções vulcânicas e tremores lunares. Longe de estar morta, pode-se notar que a Lua tem algo que cresce e muda com as estações. Que mais poderia ser além de vegetação? As descobertas feitas pelos programas de exploração lunar dos EUA e URSS são tão surpreendentes, tão incríveis, que virtualmente provocaram muitas noites de insônia aos cientistas.Cento e trinta anos atrás, o astrônomo Gruithuisen observou, ao norte da cratera Schrocter, formações de linhas cruzadas e quadrados que apresentam semelhança surpreendente com fotografias aéreas de bairros e ruas de cidades tiradas a grandes altitudes.Embora o astrônomo Gruithuisen tenha sido rotulado de excêntrico na época, seus detratores não conseguiram oferecer nenhuma explicação melhor para a formação. Contudo, formações semelhantes foram descobertas depois, na década de 1930, pelo Observatório Mt. Wilson. Quando o telescópio de cem polegadas foi apontado na direção da cratera Gassendi, foi fotografado um notável “sistema de tubos”. Enquanto algumas dessas construções cresciam, outras foram removidas.

CONCLUSÃO
No nosso tempo de colégio, ensinaram-nos um conjunto de fatos relativamente completos sobre a Lua. Disseram-nos e, estranhamente, ainda nos dizem hoje, que a Lua não apresenta condições de sustentar vida, não tem ar, é coberta de crateras de vulcões extintos, sendo, falando sem rodeios, um globo de rocha morta. O problema é que esses “fatos” já não são aceitáveis, pois nossas explorações lunares feitas pelas missões Apollo trouxeram provas cabais que mostram o contrário.Décadas atrás, muito antes da moderna ciência espacial ser desenvolvida, os astrônomos ficavam confusos com o que seus telescópios revelavam na Lua. Centenas de cúpulas lunares foram então mapeadas. Luzes isoladas, explosões e outras estranhas sombras geométricas, inexplicáveis com base nas leis naturais conhecidas, foram observadas por astrônomos profissionais e também amadores.Há alguma coisa se deslocando ali em cima, fazendo ondular luzes, cortando montanhas, construindo cúpulas, muros, pirâmides, túneis e reservatórios de água com paredes reforçadas. Se não existe ar na Lua, existe um ótimo substituto, algo que sustenta nuvens, refrata luz e incendeia meteoros.
Mônica F. De Jardin

**********************************************************************************************************

Decolagem: o Saturn V levando a Apollo 11 em seu lançamento, a partir do Kennedy Space Center, em 16 de julho de 1969 (Foto: Handout)

O célebre voo da Apollo 11 à lua demorou cerca de quatro dias a partir do lançamento. Pousando em 20 de julho de 1969 sobre a superfície da Lua no que a NASA, a agência espacial americana, denominou Base da Tranquilidade, Neil Armstrong anunciou, em frase famosa, referindo-se ao módulo lunar:

– “A águia pousou.”

Descendo cuidadosamente da nave, poucas horas depois, Armstrong proferiu a frase programada previamente mais famosa ainda:

“É um pequeno passo para o homem, um salto gigante para a humanidade.”
O astronauta Buzz Aldrin logo se juntou a Armstrong em seu famoso passo lunar, com centenas de milhões de pessoas em todo o mundo assistindo com espanto e admiração.O terceiro astronauta da missão, Michael Collins, permaneceu em órbita da lua a bordo do chamado módulo de comando, ao qual, finda a missão, o pequeno Águia se acoplaria depois de decolar.ASSISTAM O VÍDEO E TIREM SUAS PRÓPRIAS CONCLUSÕES…CONTINUA…..

************************************************************************************************************

Bibliografia para consulta

1-NASA Voyager missions
 David M.Harland
2-Apollo and american’s moon landing
 NASA engineers
3-NASA Conections
 Jim Tausworthe
4-The NASA atlas of the solar system
 Ronald Greenley
5-Shooting the moon-How NASA found water on the moon
 Progressive Management
6-Atmospheric Sciense-NASA
 Erick M.Conway
7-NASA concepts of Lunar Mining
Progressive Management
8-Pesquisas sobre a Lua
 Departamento de Astrofísica e Astronáutica da USP
9-Pesquisas sobre marés lunares e a ionosfera
 INPE-Instituto de Pesquisas Espaciais
10-Extraterrestrials,UFO,NASA, CIA, Aliens mind
Jean Maximillien de la Croix
11-Ancient aliens on the moon
Mike Bara
12-Existe vida na lua?
Antonio Carlos Ribeiro Raymundo
Acervo particular de livros e apostilas de cursos da NASA-Kennedy Space Center Complex-Cape Canaveral- Flórida-USA/Centro Espacial Lyndon B. Johnson-Houston -Texas-USA

 Nota; Alguns livros estão disponíveis em nossa Biblioteca Virtual

Divulgação: A Luz é Invencível

Anúncios

5 comentários em “O LADO ESCURO DA LUA-primeira parte

  1. Pingback: O lado escuro da Lua – 1ª Parte – 20.05.2015 | Senhora de Sírius

  2. Oi, bom não tem nada haver com o artigo, eu estava me preparando dormir, dai parece que entrei em depressão dai deitei na cama e comecei a senti que eu não era eu parecia que eu estava perdendo minha identidade dai eu abri os olhos comecei a olhar ao redor e as coisas materiais pareciam tão irreais comecei a fazer muitas perguntas na mente “o q eu vim fazer aqui”, foi uma experiencia muito esquisita kk.

    Curtir

    • Olá Vinicius

      Muitas vezes nossa mente prega peças, quando acontecer alguma coisa diferente do usual faça uma análise criteriosa para identificar se realmente é uma experiência “diferente”, caso se confirme, procure entender o porque de você estar passando pela experiência, nada é por acaso, tudo tem um sentido e finalidade, retire o ensinamento do que acontecer e da experiência que tiver.

      Muita paz, luz e expansão de consciência
      Dario

      Curtir

  3. Alex Collier disse em uma de suas palestras que a Lua é um corpo celeste artificial e que foi trazido para nosso sistema solar. E que ele é muito mais antigo que o planeta Terra.

    Curtir

    • Olá Sr Lucas

      Obrigada pelo seu comentário e pela sua presença

      Conheço os livros e documentários, muito interessantes e o Compêndio sobre Andrômeda é obrigatório conhecer e muito esclarecedor.Aguarde os posts posteriores que irão para o ar em breve, com muitas outras contestações sobre a nossa Lua, os artefatos encontrados pelos astronautas e a ocultação da NASA sobre isso, com entrevistas e depoimentos , sem contar os vídeos selecionados. Iremos inclusive falar sobre isso que citou; sob a Lua ser um satélite artificial criado por raças alienígenas com o propósito de monitorar o planeta.São 4 partes e estamos só na primeira. Aguarde e continue conosco.
      muitas vibrações positivas da “Luz é Invencível”
      Mônica

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s