CONHECENDO AS CONSTELAÇÕES-Sírius-Constelação de Canis Major


anterior posterior

Sírius – A Estrela Mais Brilhante Vista no Céu

Você provavelmente já deve ter visto uma imensa estrela destacando – se no céu noturno, especialmente em janeiro quando ela se destaca mais  no céu à meia noite, e  já deve ter se perguntado que estrela seria aquela. Trata-se de Sírius uma imensa e brilhante estrela de magnitude aparente de -1,46 a mais brilhante vista da terra no céu noturno atualmente. É importante lembrar que muitas vezes o que aparenta ser uma estrela muito brilhante no céu pode ser na verdade Júpiter ou Vênus, que se parecem muito com uma estrela quando vistas a olho nu no céu e possuem uma magnitude maior do que Sírius (ou seja são mais brilhantes)

 Desde os tempos antigos e em várias civilizações, Sirius, a estrela do cão, foi cercada com uma sabedoria misteriosa. Os ensinamentos esotéricos de todas as idades têm invariavelmente atribuído a Sirius um estatuto especial; a importância da estrela no simbolismo oculto é a comprovação desse fato. O que faz Sirius tão especial? É simplesmente devido ao fato de que ela é a estrela mais brilhante no céu? Ou é também porque a humanidade tem uma ligação antiga e misteriosa com ela? Este artigo analisa a importância de Sirius em todas as sociedades secretas e História e irá descrever o simbolismo que os rodeiam.
Sirius está localizado na constelação do Cão Maior – também conhecido como o “Big Dog” – e por isso é conhecida como a “estrela do cão”. É mais de vinte vezes mais brilhante que o Sol e é duas vezes mais massiva. À noite, Sirius é a estrela mais brilhante no céu e seu brilho azul-branco nunca deixou de surpreender contempladores de estrelas desde a aurora dos tempos. Não admira que Sírius tem sido reverenciado por praticamente todas as civilizações. Mas há mais sobre Sirius que o olho não pode ver?
Artefatos de civilizações antigas revelaram que Sirius foi de grande importância na mitologia, astronomia e ocultismo. Escolas de Mistério que consideram como “o sol por trás do sol” e, portanto, a verdadeira fonte de potência do nosso sol. Se o calor do nosso sol continua vivo no mundo físico, Sirius é considerado para manter o mundo espiritual vivo. É a “verdadeira luz” que brilha no Oriente, a luz espiritual, como o sol ilumina o mundo físico, que é considerada uma grande ilusão.
Associando Sirius com o divino e até mesmo considerá-lo como a casa da humanidade de “grandes mestres” não é apenas incorporado na mitologia de algumas civilizações primitivas: É uma crença generalizada que sobreviveu (e foi intensificada) para este dia. Vamos olhar para a importância de Sirius, nos tempos antigos, analisar a sua importância nas sociedades secretas e vamos examinar esses conceitos esotéricos como eles são traduzidos na cultura popular.

DADOS ASTRONÔMICOS-ficha técnica

Sírius se encontra na constelação de Canis Major (Cão Maior), a aproximadamente 2,6 parsecs (ou 8,57 anos-luz), sendo também uma das estrelas  mais próximas da terra. Em 1844, Friedrich Wilhelm Bessel, deduziu que Sírius era na verdade é sistema estrelar binário ou seja é composto por duas estrelas: Sírius A com uma temperatura na superfície de 9.940 Kelvin e Sírius B, sendo essa uma anã branca ou ramescente estrelar, elas orbitam – se a uma distância de aproximadamente 20 unidades astronômicas ou 1,4959787111 metrôs, o que equivale à distância do sol até urano aproximadamente, completam sua órbita em um período de 50 anos. Estima-se que a idade desse sistema seja de aproximadamente 230 milhões de anos. As primeiras referências que se têm de Sírius remontam aos egípcios a cerca 4.000 anos, eles a conheciam por Sothis em referência a um de seus deuses, porém o nome que conhecemos hoje provém do latim Sírios que quer dizer brilhante. Os Mistérios de Sírius Deixando de lado á todas as especulações de extra-terrestres e todo o tipo de mitologia que você possa imaginar, Sírius ainda guarda alguns segredos que os astrônomos ainda não conseguiram esclarecer. Algumas irregularidades orbitais aparentes em Sírius B têm sido observadas desde 1894, sugerindo uma diminuta terceira estrela companheira, cuja existência ainda não foi confirmada. Segundo antigas observações, Sírius teria sido descrita como uma estrela vermelha, ao passo que hoje em dia A “Sirius A” é uma estrela branco-azulada. A possibilidade de ter ocorrido uma evolução estelar em ambas as estrelas, poderia explicar estas discrepâncias, sendo no entanto uma hipótese rejeitada pelos astrônomos. Não obstante apenas no século 19 ter sido identificada a segunda estrela Sírius B”, muitos gregos já consideravam Sirius como um elemento duplo. Localizando Sírius no Céu Para localizar Sírius no céu, o primeiro passo é saber localizar uma das constelações mais conhecidas, a constelação de Órion, que possui três estrelas popularmente conhecidas como “As Três Marias”. Para quem nunca tentou se localizar no céu, achar as três marias são o melhor ponto de partida. Distinguir as três marias de outros grupos de três estrelas é questão de prática e paciência (não tente descobrir tudo em cinco minutos). Depois que achar as três marias, localize também as estrelas em volta. Traçando uma linha a partir das três marias é possível achar Sirius, que é a estrela mais brilhante.

Nas Civilizações Antigas
No antigo Egito, Sirius era considerada a estrela mais importante no céu. Na verdade, era astronomicamente a fundação dos egípcios em todo o sistema religioso. Foi reverenciado como Sothis e foi associada com Ísis, a deusa mãe da mitologia egípcia. Isis é o aspecto feminino da trindade formada por ela, Osíris e Horus o filho. Os antigos egípcios colocavam Sirius em tal alta posição, que a maioria de suas divindades estavam associadas, de alguma forma ou de outra, com a estrela. Anubis, o cabeça de cão deus da morte, tinha uma óbvia conexão com a Estrela do Cão, e Toth-Hermes, o grande mestre da humanidade, foi também esotericamente relacionado com a estrela.O sistema de calendário egípcio era baseado no nascer helíaco de Sirius, que ocorreu pouco antes da inundação anual do Nilo durante o verão. movimento celeste do astro também foi observado e reverenciado pelos antigos gregos, sumérios, babilônios e inúmeras outras civilizações. A estrela foi, portanto, considerados sagrados e sua aparição no céu foi acompanhada com festas e comemorações. A Estrela do Cão anunciava a vinda dos dias quentes e secos de Julho e Agosto, daí o termo popular “calor do cão “, usado no verão.Vários investigadores ocultistas têm alegado que a Grande Pirâmide de Gizé foi construída em perfeito alinhamento com as estrelas, em especial Sirius. A luz dessas estrelas foi dito ser usado em cerimônias de Mistérios Egípcios.
“Este povo antigo (egípcios) sabia que uma vez por ano o Sol pai estava em linha com a estrela do cão. Portanto, a Grande Pirâmide foi construída de modo que, neste momento sagrado, à luz da Estrela do Cão caiu sobre a praça “Pedra de Deus” na extremidade superior da Grande Galeria, descendo sobre a cabeça do sumo sacerdote, que recebeu a Super Solar Força e buscou através de seu próprio Corpo Solar aperfeiçoado transmitir aos outros Iniciados esse estímulo adicional para a evolução da sua divindade. Este então era o objetivo da ‘Pedra de Deus ‘, enquanto no Ritual, Osíris sentava-se a outorgar a ele (a iluminar) a coroa Atf ou luz celestial.””Norte e Sul da coroa é o amor”, proclama uma hino egípcio. “E assim todo o ensino do Egito era a luz visível, mas a sombra da luz invisível, e na sabedoria do antigo país as medidas de verdade foram os anos do Altíssimo. 
FONTE;Marshall Adams, The Book of the Master 
A GRANDE PIRÂMIDE E SEUS MISTÉRIOS AOS POUCOS SENDO REVELADOS
As recentes descobertas científicas relacionadas com a Grande Pirâmide e os misteriosos “poços de ar” que levaram os pesquisadores a confirmar ainda mais a importância de Sirius dentro da pirâmide.
Alinhamento da estrela com a Grande Pirâmide de Gizé. Orion (associado ao deus Osíris) está alinhado com a Câmara do Rei, enquanto Sirius (associada à deusa Isis) está alinhado com a Câmara da Rainha.
Um aspecto fascinante do Sirius é a consistência do simbolismo e significados associados a ela. Várias das grandes civilizações de fato associadas Sirius com uma figura de cão e visto a estrela como origem ou o destino de uma força misteriosa. Na astronomia chinesa e japonesa, Sirius é conhecida como a “estrela do lobo celestial”. Várias tribos indígenas da América do Norte se refere à estrela em termos canina: o Seri e tribos Tohono O’odham no sudoeste do descrever o Sirius como um “cão que segue ovelhas montanha”, enquanto o Blackfoot chamá-lo de “cão-face”. O Cherokee emparelhado com Sirius Antares como um guardião estrela do cão do “Caminho das Almas”. O Lobo tribo (Skidi) de Nebraska conhecia como o “Star Wolf”, enquanto outros ramos do sabia-o como o “Coyote Star”. Mais ao norte, os inuit do Alasca do Estreito de Bering chamou de “Moon Dog”.

O MISTÉRIO DE SÍRIUS~por Robert Temple

 Em 1971, o autor norte-americano Robert Temple publicou um polêmico livro intitulado “O Mistério de Sirius, onde ele afirmou que os Dogons (uma antiga tribo Africano do Mali), soube detalhes sobre Sirius, que seria impossível de ser conhecido sem o uso de telescópios. Segundo ele, os Dogon compreendeu a natureza binária do Sirius, que é, na verdade, composto de duas estrelas chamado Sirius A e Sirius B. Isso levou Robert Temple a acreditar que os Dogons tinha “directas” conexões com seres de Sirius. Embora alguns possam dizer “você não pode ser Sirius” (desculpe), um grande número de sociedades secretas (que historicamente têm mantido em suas fileiras algumas das pessoas mais influentes do mundo) e sistemas de crenças ensinam sobre uma conexão mística entre Sirius e humanidade .
Na mitologia Dogon, a humanidade é dita ter nascido a partir do Nommo, uma raça de anfíbios que eram os habitantes de um planeta circulando Sirius. Eles dizem ter “descido do céu em um navio acompanhado de fogo e trovão” e dava aos seres humanos o conhecimento profundo. Isso levou Robert Temple a teorizar que o Nommos eram os habitantes extraterrestres de Sírius que viajaram para a Terra em algum ponto no passado distante para ensinar as civilizações antigas (como os egípcios e os Dogons) sobre o sistema da estrela Sirius, assim como nosso próprio sistema solar. Essas civilizações, então, registraram os ensinamentos do Nommos em suas religiões e tornou-os um foco central de seus mistérios.
O sistema da mitologia Dogon é muito semelhante aos de outras civilizações como os sumérios, egípcios, israelitas e babilônios já que inclui o mito arquetípico de um “grande professor de cima”. Dependendo da civilização, esse grande mestre é conhecido como Enoque eith, Thoth ou Hermes Trismegisto e diz ter ensinado ciências da humanidade teúrgica. Nas tradições ocultistas, acredita-se que Thoth-Hermes havia ensinado o povo da Atlântida, que, segundo a lenda, se tornou a civilização mais avançada do mundo antes de todo o continente ser submerso pelo Grande Dilúvio (evidências de uma inundação podem ser encontradas na mitologias de civilizações incontáveis). Sobreviventes da Atlântida viajaram de barco para vários países, incluindo Egito, onde transmitiram seus conhecimentos avançados. Os ocultistas crêem que as semelhanças inexplicáveis ​​entre civilizações distantes (como os maias e os egípcios) podem ser explicadas pelo seu contato comum com os atlantes.
“Foi o conhecimento religioso, filosófico, científico e possuídos pelas artimanhas sacerdotais da antiguidade protegida da Atlântida, cuja submersão obliterou todo vestígio de sua parte no drama do progresso do mundo? A adoração do sol de Atlêntida tem sido perpetuada no ritualismo e cerimonialismo do cristianismo e do paganismo. Tanto a cruz e a serpente eram emblemas da Atlântida da sabedoria divina. O divino (Atlante) progenitores dos Maias e quiches da América Central coexistiam dentro do esplendor verde e azul do Gucumatz, a serpente “emplumada”. Os seis sábios céu-nascido veio à manifestação, como centros de luz ligados entre si ou sintetizados pelo sétimo – e principal – de sua ordem, a “penas”, cobra. O título de “asas” ou “emplumada” serpente foi aplicado a Quetzalcoatl, ou Kukulcan, o início da América Central. O centro da Sabedoria Atlântida-religião era presumivelmente templo piramidal, sobre o cume de um planalto em ascensão no meio da Cidade dos Portões Dourados. A partir daqui o Iniciado-Sacerdotes do Sagrado Pena saiu, levando as chaves da Sabedoria Universal até os confins da terra.
 

Como os atlantes do mundo receberam não somente o patrimônio de artes e ofícios, filosofias e ciências, a ética e as religiões, mas também a herança de ódio, contenda, e perversão. Os atlantes instigaram a primeira guerra, e foi dito que todas as guerras subseqüentes foram disputadas em um esforço infrutífero para justificar a primeira e corrigir o erro que lhe causou. Antes de Atlântida afundar, seus Iniciados espiritualmente iluminados, que perceberam que sua terra estava condenada porque tinha partido do Caminho da Luz, retiraram-se do continente malfadado. Levando com elas a doutrina sagrada e secreta, esses atlantes se estabeleceram no Egito, onde se tornaram o seu primeiros governantes “divinos”. Quase todos os grandes mitos cosmológicos formando a base dos vários livros sagrados do mundo baseiam-se nos rituais de Mistérios Atlante “.

THOTH- O Atlante e sua relação com Sírius

É Thoth-Hermes Trismegisto, o equivalente a Nommos nos Dogon, que acredita-se que são originários de Sirius? Os textos antigos sobre Hermes o descreve como um professor de mistérios, que “veio das estrelas”. Além disso, Thoth-Hermes estava diretamente ligado com o Sirius na mitologia egípcia.
 
VEJAMOS NO TEXTO ABAIXO;

“O cão-estrela: a estrela adorada no Egito e reverenciada pelos ocultistas; pela primeira vez o seu nascer helíaco com o Sol era um sinal da inundação beneficente do Nilo, e por último porque ele é misteriosamente associado a Toth- Hermes, deus da sabedoria, e Mercúrio, de outra forma. Assim Sothis-Sirius tinha, e ainda tem, uma influência mística e direta sobre os céus de vida inteira, e está conectado com quase todos os deuses e deusas. Era”Ísis no céu” e apelou a Ísis-Sothis, pois Isis estava “na constelação do cão”, como é declarado em seus monumentos. Estar conectado com a pirâmide, Sirius estava, portanto, relacionado com as iniciações que teve lugar no mesmo “

FONTE;Helena Blavatsky, Theosophical Glossary 


“O tratado Trismegistico ‘A Virgem do Mundo’ do Egito se refere ao” Rito Negro “, ligado à” negra “Osíris, como o mais alto grau de iniciação secreta possível, a antiga religião egípcia – é o último segredo de mistérios de Ísis. Este tratado diz que Hermes veio à Terra para ensinar aos homens a civilização e, em seguida, novamente ‘montado para as estrelas’, voltando para sua casa e deixando para trás a religião de mistérios do Egito com os seus segredos celestes que iriam algum dia ser decodificado “

 SÍRIUS E A TEOSOFIA-Madame Blavatsky, Alice Bailey 
Helena Blavatsky e Alice Bailey, as duas principais figuras associadas com a Teosofia, tem tanto Sirius considerado uma fonte de energia esotérica. Blavatsky afirma que a estrela Sirius exerce uma influência mística e direta sobre o céu inteiro e está relacionada com todas as grandes religiões da antiguidade.
Alice Bailey vê a estrela do cão como a verdadeira “Grande Loja Branca” e acredita ser a casa da “Hierarquia Espiritual”. Por esta razão, ela considera Sirius como a “estrela de início”.
“Esta é a grande estrela do início, porque a nossa Hierarquia (uma expressão do segundo aspecto da divindade) é sob a supervisão ou controle magnético espiritual da Hierarquia de Sirius. Estas são as principais influências do controle pelo qual as obras do Cristo Cósmico trabalha no princípio de Cristo no sistema solar, no planeta, no homem e nas formas menores de expressão da vida. É esotericamente chamada de “estrela brilhante da sensibilidade”
Alice Bailey, Esoteric Astrology
OBS;Não diferente de muitos escritores mais esotéricos, Bailey considera Sirius ter um grande impacto na vida humana.
“Tudo o que pode ser feito aqui em lidar com este assunto profundo é enumerar brevemente algumas das influências cósmicas que certamente afetarão a nossa terra, e produzir resultados na consciência dos homens em todos os lugares, e que, durante o processo de iniciação, trazer certas fenômenos específicos.
 
Primeiro e mais importante é a energia ou força que emana do Sirius dom. Se ele pode ser expresso, a energia do pensamento, ou a força mental, em sua totalidade, atinge o sistema solar a partir de um centro cósmico distante através de Sirius. Sirius atua como transmissor, ou o centro focalizador, de onde emanam essas influências que produzem a consciência de si no homem “.

UM POUCO DE HISTÓRIA – OS EXILADOS DE SÍRIUS

Não foram apenas capelinos os exilados que aportaram na Terra e atuaram intensamente no
seu processo evolutivo.Ramatís nos esclarece:
“Estavam instaladas no orbe terrícola as condições básicas para a influência dos Maiorais siderais e das instâncias de grau mais elevado no planejamento cósmico; e para a vinda, de outras
constelações, de espíritos mais evoluídos, que trariam conhecimentos e acompanhariam emigrados exilados, que não tinham condições morais de permanecer naquelas instâncias mais evoluídas.
Chega, então, enorme agrupamento de espíritos emigrados, que se estabelecem e formam colônia no Astral da antiga Lemúria e da Atlântida. Os sacerdotes iniciados, líderes daquelas colônias astralinas, trazem consigo o conhecimento esotérico Aumbandhã, significando a própria “Lei Maior Divina”.
Eram de grande mentalismo; dominavam, com desenvoltura rotineira, o que se designa em vosso vocabulário atual como transmutação alquímica, fluidologia e ectoplasmia curativa, materialização e desmaterialização, magnetismo e cromoterapia, desdobramentos dos corpos mediadores físico,
etérico, astral e mental; controlavam, perfeitamente, os elementais, nas suas sete gradações ou sete planos de manifestação. Esses elementais, formas energéticas neutras – não são positivos nem negativos, nem bons nem maus – eram utilizados pelos sacerdotes, magos brancos atlantes, que assim arregimentavam as forças ocultas necessárias à magia, à construção e à evolução das criaturas.
Os lemurianos e os atlantes de pele vermelha não foram procedentes do satélite de Capela, da constelação do Cocheiro;  vieram de um outro orbe, do sistema estelar de  sirius, em que o Sol é uma estrela de intenso amarelo-ouro, inigualável em sua beleza, num mesmo movimento espiritual de transmigração que trouxe os capelinos. Adoradores do Sol, irrepreensíveis magos e alquimistas, transmutavam os metais grosseiros em ouro.
Os capelinos, de cútis branca, tinham uma estrela distante, de minguados raios solares como claridade das manhãs invernais, a iluminá-los. Não por acaso, semelhantes em evolução e em conhecimentos iniciáticos aos de pele vermelha.
Esses migrados, impostos à força coercitiva animal de corpos rudes e primitivos, teriam que adaptar-se à vida selvagem, de condições climáticas inóspitas e perigosas da Terra de então.
Latentes, em sua memória astral, todos os conhecimento e realizações adquiridos anteriormente, contribuiriam para a evolução dos espíritos hominais terrícolas. Por intercessão de espíritos superiores e amorosos, que os acompanharam nessa migração,e por deliberação dos engenheiros siderais, permitiu-se a formação dessa raça vermelha em vosso orbe.
Da amálgama dessas duas raças provenientes de outras paragens do Cosmo, enxotadas do Éden remoto, após os cataclismas que afundaram as civilizações lemuriana e atlante, obrigando-as à migração, constitui-se em solo brasileiro o tronco indígena Tupi, mais avermelhado, e de outro lado do oceano o tronco dos Árias, um misto dessas duas raças-mãe, cujos descendentes foram os celtas, os latinos e os gregos.
A sua pele avermelhada, que originalmente fazia parte da configuração perispiritual dos emigrados, se fez presente quando da reencarnação daqueles exilados. Desventuradamente, deixaram-se levar pela ambição desmesurada e pela magia negra, quando utilizaram todos os conhecimentos iniciáticos milenares gananciosamente, em proveito próprio e para o mal.
Muitos espíritos daqueles antigos lemurianos e atlantes da raça vermelha, que eram exímios curadores, e que em vidas passadas foram alquimistas a serviço das organizações trevosas e dos magos negros e que muito manipularam os elementais da natureza, estão reecarnados e comprometidos com o desiderativo curativo dos semelhantes dos dois lados da vida”.
FONTE;Chama Crística – Ramatís – Norberto Peixoto – 
NOTAS DE RODAPÉ;
1- Sendo um deles o próprio Ramatís.
2- Os atlantes de pele vermelha foram a sub-raça dos toltecas, que formaram, 
entre outras, as nações pele-vermelhas da América do Norte e os incas originais. 
Sua espiritualidade e avançada organização social são ecos de um conhecimento 
longínquo .
O POVO FELINO DE SÍRIUS
Os Felinos são aqueles que muitos de vocês chamam de seres-leão. Eles são de um universo que já se completou. Chegaram em nossa galáxia quando ela estava sendo construída. Foram convidados pelos Construtores e pela Hierarquia Espiritual Universal para serem os mestres geneticistas do nosso universo. Eles residem em uma estrela na constelação de Sírius conhecida como Sírius A e não devem ser confundidos com os Humanos que colonizaram Sírius B. Eles viviam em Sírius A muito tempo antes dos Humanos de Lyra chegarem.
A história do Sistema Estelar de Sírius.
Há três estrelas no Sistema Estelar de Sírius: Sírius A, Sírius B, e Sírius C. Sírius B foi a primeira estrela e, quando implodiu, criou Sírius A e C.Quando os primeiros humanos chegaram em Sírius B, vindos de sua residência temporária nas colônias humanas do Sistema Veganiano da constelação de Lyra, receberam muita ajuda dos Felinos. Sírius C é atualmente usado para armazenar materiais e suprimentos.Tiamat (antiga Terra) também foi criado da implosão de Sírius B, assim como Nibiru. Quando se decidiu criar uma Força Estelar, este gigantesco pedaço de rocha que flutuava no espaço perto das Plêiades foi localizado por meus antepassados e foi transformado em uma Força Estelar/planeta.Os Felinos são os mestres geneticistas de nosso universo, como eram também deles mesmos. Eles criaram todas as formas de vida nos planetas e estrelas em nosso universo. Isto inclui vegetação, animais, e os veículos físicos que as almas usam para sua encarnação.
A APARÊNCIA DOS SERES DE SÍRIUS
 Eles são seres altos, com cabelos vermelho-dourado e, normalmente, olhos castanhos ou verde-dourado. Os Felinos são seres poderosos, altamente evoluídos, amorosos, gentis e de natureza benevolente. Eles nunca tomam partido em qualquer guerra, pois já completaram as lições de integração das polaridades e Amor Incondicional. Eles também cuidam das almas que sofreram severos danos emocionais nas encarnações e que são enviadas aos Felinos para serem tratadas depois da morte.Os Felinos vivem na 6ª dimensão para executar o trabalho deles, embora sejam seres de dimensões mais elevadas. A 6ª dimensão é a dimensão da criação, onde a energia torna-se física. Os Felinos trabalham muito unidos com as Hierarquias Espirituais dos diferentes planetas e galáxias em nosso universo. Quando é decidido que uma alma-grupo precisa de um planeta e um veículo físico para encarnação, são os Felinos que são nomeados para a tarefa de preparar o planeta e criar os corpos. Houve tempos em que eles também criavam planetas.
As esfinges encontradas ao redor do mundo são uma lembrança da existência e do envolvimento deles. Você alguma vez se perguntou por que o leão é o rei da selva, embora ele não seja o maior? Os Felinos deixaram os leões e todos os gatos para serem os transmissores de informação para Sírius A. Os leões em particular, foram transformados em reis da selva para que eles não fossem dizimados e pudessem, então, continuar sendo transmissores de informação ao longo dos muitos milhares de anos que a Terra e os seres humanos precisariam para completar o Plano Divino deles.Os Gatos são o vínculo de informação entre a 3a. e a 6a. dimensão. Muitos de vocês sabem que frequentemente os reis e rainhas tinham um gato de algum tipo como companheiro constante. Antigamente os Faraós do Egito eram guiados pelos Felinos através dos seus gatos.
Posts relacionados;

o-sistema-estelar-de-sirius-e-os-antigos-registros-de-orion/”os-sirianos-fora-do-coracao-das-trevas-2/”os-sirianos-sejam-bem-vindos-em-casa/”a-ciencia-das-dimensoes-a-sexta-dimensao-geometria-sagrada-terceira-parte/”

************************************************************************************************************
CONCLUSÃO E NOTA DO BLOG
Desde os primórdios da civilização até os tempos modernos, das tribos remotas da África para grandes capitais do mundo moderno, Sirius era – e ainda é – visto como um doador de vida. Apesar da disparidade entre as culturas e épocas, os mesmos atributos misteriosos são dados para a estrela do cão, o que pode levar-nos a perguntar: como podemos sincronizar todas as definições de teses tão perfeitamente? Existe uma fonte comum para esses mitos sobre Sirius? A estrela do cão é invariavelmente associada com a divindade e é considerado como uma fonte de conhecimento e poder.Os antigos egípcios colocavam Sirius em tal alta posição, que a maioria de suas divindades estavam associadas, de alguma forma ou de outra, com a estrela. Anúbis, o cabeça de cão deus da morte, tinha uma óbvia conexão com a Estrela do Cão, e Toth-Hermes, o grande mestre da humanidade, foi também esotéricamente relacionado com a estrela.O sistema de calendário egípcio era baseado no nascer helíaco de Sirius, que ocorreu pouco antes da inundação anual do Nilo durante o verão.O movimento celeste do astro também foi observado e reverenciado pelos antigos gregos, sumérios, babilônios e inúmeras outras civilizações. A estrela foi, portanto, considerados sagrados e sua aparição no céu foi acompanhada com festas e comemorações. A Estrela do Cão anunciava a vinda dos dias quentes e secos de Julho e Agosto, daí o termo popular “calor do cão “, usado no verão.Essas conexões são particularmente evidentes quando se examina os ensinamentos e o simbolismo das sociedades secretas, que sempre ensinaram sobre uma ligação mística com este corpo celeste particular. Existe uma ligação secreta entre a evolução humana e Sirius? Libertar este segredo significaria desbloquear um dos maiores mistérios da humanidade.
EQUIPE DA LUZ É INVENCÍVEL
******************************************************************************************************************

Bibliografia para consulta

O Mistério de Sírius
Robert Temple
Sacred Symbols of the Dogons
Laid Scranton
La História Secreta de los Reptilianos
Scott Alan Roberts
O livro perdido de Enki
Zecharia Sitchin
Os Filhos de Òrion
Maria Sílvia P. Orlovas
Os Exilados de Capela
Edgard Armond
Terra-Chaves Pleiadianas para a biblioteca viva e Mensageiros do Amanhecer
Bárbara Marciniack
Catastrophobia e A Agenda Pleiadiana
Bárbara Hand Clow
Through Alien Eyes
Wesley Bateman

LEIA MAIS;INSTITUTO DE ASTRONOMIA DA USP

Nota:Biblioteca Virtual

Divulgação: A Luz é Invencível

A “Luz é Invencível” tem por norma não publicar links que não estejam ligados ao texto postado.Pedimos a compreensão de todos, e para qualquer dúvida, temos nossa caixa de sugestões onde todos podem livremente fazer suas colocações que serão arquivadas para consultas posteriores.
Nós agradecemos a compreensão de voces.
Equipe da “Luz é Invencível”
Anúncios

7 comentários em “CONHECENDO AS CONSTELAÇÕES-Sírius-Constelação de Canis Major

    • Olá Sr Antonio Luiz

      Obrigado pelo comentário e pelas palavras gentis de incentivo ao nosso trabalho.Nós da equipe da Luz ficamos contentes de prestar esse serviço de esclarecer e informar, sempre com base nas informações pesquisadas e na nossa bibliografia recomendada.Continue conosco e venha fazer parte do nosso time de comentaristas

      Muitas vibrações positivas da Equipe da Luz é Invencível

      Curtir

  1. Pingback: Conhecendo as Constelações – Sírius – Constelação de Canis Major – 08.11.2015 | Senhora de Sírius

  2. olá!
    muito bom, agradeço a informação tão preciosa.
    pérola rara, nem mesmo eu com minha apneia lendária a conseguiria apanhar de oceano tão profundo.

    fiquem bem!

    Curtir

    • Olá Sr Manuluzo

      Obrigado pelo comentário e pela presença nos prestigiando

      Uma das contelações mais intrigantes e cheia de mistérios ainda por desvelar, Canis Major abriga nosso diamante estelar Sírius e o povo felino, cujos espécimes animais estão por aqui, nos deslumbrando com sua beleza, sagacidade e inteligência , mesmo estas se manifestando no reino animal neste planeta, experimental, mas não menos fenomenal.

      Sírius representa a beleza de uma estrela, que consiste no seu brilho, sua essência não se fundamenta na constelação, sózinha seu brilho é mais intenso, guarda nossos segredos de antes e nos revelará nosso destino de amanhã.

      Continue conosco e seja bem vindo

      Muitas vibrações positivas da Equipe da Luz é Invencível

      Curtir

    • Olá Sr Fausto

      Obrigado pelo apôio e pelas palavras de incentivo ao nosso trabalho.Continue conosco.

      Muitas vibrações positivas da Equipe da Luz é Invencível

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s