PROJETO TRANSIÇÃO DA TERRA-A grande hora da mudança-O futuro alimentar da humanidade- Produzindo alimentos preservando o meio ambiente e o ecossistema-Os alimentos orgânicos e os benefícios para os seres humanos e para o planeta-Parte 4



anterior posterior

Desafio 2050: como alimentar um planeta com 9 bilhões de pessoas

É possível alimentar um mundo com mais de 9 bilhões de pessoas em 2050, como alerta a FAO. Essa é a conclusão dos debates ocorridos no V Fórum Inovação, Agricultura e Alimentos para o Futuro Sustentável, em São Paulo (SP), iniciativa da FAO, Andef, Abag e Embrapa. Especialistas e instituições participantes concordam, no entanto, que será preciso unir esforços entre as cadeias produtivas agroindustriais e os demais segmentos da sociedade para atingir os objetivos.

“Os caminhos-chave são inovação, desenvolvimento de tecnologias e conscientização nutricional da população”, afirmou Alan Bojanic, diretor da FAO, Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, no Brasil. Bojanic enfatizou que, hoje, no mundo uma em cada oito pessoas passa fome. “A meta para 2050 não é zerar o número de pessoas em estado de insegurança alimentar, mas reduzir os índices atuais drásticamente”, complementou.

Atualmente, aproximadamente 1 bilhão de pessoas ainda se encontram em estado de miséria no planeta.O desafio está lançado e o relógio está correndo. É preciso ampliar as condições de estímulo ao investimento maciço em tecnologias limpas para o campo e em infraestrutura. (nota pessoal;Nós da Equipe defendemos a importância da produção de alimentos orgânicos livres de agrotóxicos e modificação genética, como fator preponderante não apenas para o ganho nutricional da população, mas também como geradora de saúde e educação social. Com pesquisas científicas voltadas ao combate da fome com alimentos saudáveis e naturais, a produção no campo gerará alimentos cada vez mais nutritivos e saudáveis, impregnando cada vez mais em nossa sociedade a consciência de que o consumo de bons alimentos resulta em uma população mais feliz e saudável. É a troca do tratamento pela prevenção)

LEIA MAIS;

Revolução Verde

http://www.forumgriculturaealimentos.org.br e http://www.revolucaoverde.org.

Alimentar o mundo

Pequenos camponeses são cruciais no combate à fome

Por Mark Bittman, colunista – O Estado de S.Paulo – The New York Times

Este mês marca o aniversário de 50 anos do discurso do presidente John F. Kennedy sobre o fim da fome mundial, mas a situação continua ruim. Quase um bilhão de pessoas passam fome no mundo. Faz tempo que produzimos calorias suficientes, cerca de 2,7 mil por dia por pessoa, mais do que o bastante para suprir as necessidades de uma população de 9 bilhões, projetada pela ONU para 2050. Há pessoas passando fome porque nem todas as calorias são para o consumo humano – um terço serve para alimentar animais, 5% são usados na produção de biocombustíveis e um terço é desperdiçado ao longo da cadeia alimentar.

O sistema é insustentável, pois depende de combustíveis fósseis e resulta em danos ambientais. Seu funcionamento é orientado para permitir que a metade do planeta com dinheiro coma bem, enquanto os demais procurem uma maneira de se alimentar gastando o mínimo possível. Paradoxalmente, conforme um número cada vez maior de pessoas pode arcar com o custo de se alimentar bem, a comida vai se tornar mais escassa para os pobres, pois a demanda por produtos animais aumentará, exigindo mais recursos como grãos. Calcula-se que um aumento inferior a 30% na população mundial dobre a demanda por produtos animais. No entanto, não existe terra, água, nem fertilizante para que o mundo inteiro consuma carne nos níveis ocidentais.

Produção orgânica traz vantagens para agricultores familiares

Se quisermos garantir que os menos favorecidos comam melhor, precisamos parar de supor que o modelo industrial de produção de alimentos e a dieta que o acompanha, responsável por numerosas doenças, seja desejável e inevitável. É hora de admitir que há dois sistemas alimentares: o industrial e o dos pequenos proprietários, que é mais eficiente. Para o ETC Group, organização de pesquisa de Ottawa, a cadeia alimentar industrial consome 70% dos recursos agrícolas para produzir 30% do alimento mundial, enquanto a “rede alimentar camponesa” produz os 70% restantes usando apenas 30% dos recursos.

Variedades de alto rendimento de qualquer uma das principais espécies de monocultura comercial proporcionarão uma produtividade superior à de variedades dessa mesma espécie cultivadas por camponeses. Mas, ao diversificar o cultivo, misturar plantas e animais e plantar árvores, os pequenos proprietários podem produzir mais comida. Usarão menos recursos e arcarão com um custo mais baixo no transporte, ao mesmo tempo, oferecendo mais segurança alimentar, conservando a biodiversidade e compreendendo melhor os efeitos da mudança climática.

Se definirmos “produtividade” não em termos de quilos por hectare, mas pelo número de pessoas alimentadas pela produção dessa mesma área, veremos que os EUA estão atrás de China e Índia (e também da média global), num patamar equivalente ao de Bangladesh, pois parte daquilo que é produzido é destinado aos animais e biocombustíveis.Obviamente, nem todos os pobres conseguem se alimentar direito, pois carecem de recursos essenciais: terra, água, energia e nutrientes. Com frequência, isso é resultado de ditaduras, guerras, deslocamentos, calamidades naturais ou da apropriação de terras e de recursos hídricos.O resultado é uma fuga rumo às cidades, onde os camponeses se convertem em trabalhadores mal remunerados e se alimentam mal. Ao chegar a esse ponto, deixam de ser “camponeses” e viram , os pobres trabalhadores dos EUA. É uma fórmula que produz fome e obesidade. Primeiro é removida a capacidade de produzir comida. Em seguida, a capacidade de pagar pela comida, substituindo-a por uma única alternativa: o alimento ruim.

O caminho da nossa comida do dia á dia

Você chega em casa cansado, tira do congelador um pacote de almôndegas desenvolvidas em laboratório. Digita na impressora 3D o cardápio que vai acompanhar: uma pizza feita de ingredientes em pó. E separa na geladeira dois tomates roxos para fazer uma salada, salpicada com um produto que tem gosto de ovo, mas na verdade é feito de gergelim. Bom apetite, este vai ser o jantar dos anos 2050.No século passado, os futuristas imaginavam que a comida da virada do século seria composta por uma série de pílulas – ninguém perderia tempo preparando uma salada quando todos os nutrientes necessários estivessem ao alcance da mão. “Em cem anos, as pessoas vão se alimentar exclusivamente com pílulas sintéticas”, disse a escritora e ativista Mary Elizabeth Lease, em 1893. Nada mais improvável. “Nunca vamos abrir mão do prazer de preparar uma refeição, mesmo que seja usando uma impressora e não um fogão. A combinação de aromas e cores de um prato e o convívio ao redor da mesa com a família e os amigos são tão importantes hoje quanto há 3.000 anos”, afirma o agrônomo canadense Christophe Pelletier, autor de Future Harvests, livro que tenta prever como a humanidade vai se alimentar daqui a 37 anos.

Nove bilhões de bocas para alimentar – Algumas tradições vão mudar por um motivo simples: em quatro décadas, a humanidade vai ter ultrapassado os 9 bilhões de habitantes, 2 bilhões a mais do que atualmente. Em 40 anos, o planeta vai ter recebido mais uma quantidade de humanos equivalente à soma de uma China e dois Estados Unidos hoje. Vai ser preciso gerar comida o suficiente para cada um dos principais grupos alimentares – vitaminas, sais minerais, fibras, proteínas, carboidratos e gordura. Arroz, por exemplo, não será um problema: com dinheiro  e suporte da Academia Chinesa de Ciências da Agricultura, o agrônomo chinês Zhikang Li criou uma variedade que cresce rápido, produz mais grãos e é extremamente resistente a inundações, secas, pestes e insetos. São as proteínas de origem animal que representam o maior desafio.(nota pessoal;por essa razão, o vegetarismo é uma solução mais limpa, menos poluente e muito mais saudável-resta saber se vai ser uma agricultura genuínamente natural ou mais uma modificação genética-alimentos OGM-)

A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação prevê que, em quatro décadas, o aumento da quantidade de terras usadas para a pecuária teria de ser da ordem de 70%, de 34 para 57,8 milhões de quilômetros quadrados, ou quase três Brasis. Impossível. “Não vamos conseguir produzir carne em quantidade suficiente para toda a população. Os bifes como conhecemos hoje vão ser raros e caros”, diz a britânica Morgaine Gaye, especialista em tendências do mercado de alimentos e professora na Nottingham Trent University.

Alternativas -serão saudáveis?

Algumas alternativas já existem, e são mais sofisticadas do que os produtos à base de soja. Depois de 10 anos de desenvolvimento em parceria com a Universidade do Missouri, a startup americana Beyond Meet desenvolveu um composto de ervilhas que, depois de processado, fica muito parecido com um pedaço de carne. Com a vantagem de não ter colesterol, gordura saturada ou os hormônios ministrados aos animais. O resultado é tão parecido com carne de frango que já enganou consumidores submetidos a testes cegos. Os ovos também já podem ser substituídos por um pó esverdeado da Hampton Creek Foods, de São Francisco, que tem o gosto do ovo comum e pode ser usado em bolos, saladas e doces. Mas é feito a partir de uma base de gergelim.

Estes produtos, entretanto, não vão dar conta da demanda em larga escala. Uma das soluções mais viáveis para o problema da demanda global por proteínas nas próximas décadas está nos insetos.

Pão de grilo – Para a FAO, Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, os insetos, esses “apetitosos” bichinhos crocantes de seis patas, são o futuro. Os motivos alegados são bons. Insetos são ricos em proteínas: proporcionalmente, moscas têm quase o dobro do que bois. Por outro lado, têm pouca gordura e boas doses de cálcio e ferro.

Também são animais fáceis de criar: eles ocupam pouco espaço, consomem menos água e se reproduzem com facilidade. Com 2 quilos de ração, é possível produzir 1 quilo de comida, enquanto que 1 quilo de carne de gado precisa de 8 quilos de alimentos. Variedade não falta: de acordo com a FAO, existem cerca de 900 espécies diferentes comestíveis. Em muitos países, eles já fazem parte da dieta há séculos: os japoneses comem vespas, os tailandeses gostam de grilos, os africanos cozinham larvas e os chineses vendem espetinhos de gafanhotos nas ruas. O governo da Holanda quer que o país entre nesta lista: está investindo 1 milhão de euros em pesquisas para dar início à criação de fazendas de insetos.

Fazenda de algas – O arquiteto canadense Jakub Dzamba, da Universidade McGill, tem seu próprio projeto de fazenda. E ela produz em larga escala, 24 horas por dia, não só insetos, como também algas e outros microorganismos comestíveis. A Fazenda do Terceiro Milênio, como ele chama a iniciativa, vai usar parte dos dejetos produzidos pelas cidades para criar animais comestíveis. “Os insetos têm sangue frio, e por isso mesmo podem usar todo alimento que consomem para aumentar de tamanho [eles não perdem energia aquecendo seus corpos]. Além disso, são capazes de se alimentar de basicamente qualquer coisa”, afirma Dzamba. “Nós já comemos algas, mas elas poderão ser produzidas em larga escala e disseminadas em saladas.” Além disso, pesquisadores da Universidade Sheffield Hallam, na Inglaterra, já desenvolveram versões em pó, que substituem o sal em alimentos processados.

É fácil de imaginar bufês de saladas de algas disseminados pelos restaurantes do mundo todo. Mas o consumidor ocidental dificilmente vai querer mastigar gafanhotos. Para vencer esta resistência, os holandeses estudam usar insetos como base para produzir carne processada, como hambúrgueres e almôndegas. E também adotá-los como base para enriquecer alimentos do dia a dia, como pães, massas e bolos produzidos com farinha feita de grilos.

NOTA;Uma coisa é certa: pouca gente vai ter dinheiro para comer diáriamente grandes nacos de carne, como aqueles das nossas churrascarias. A carne processada vai dominar os pratos das pessoas. Estes hambúrgueres, almôndegas, nuggets, salsichas e linguiças poderão vir de boas imitações de carne. Ou de insetos. Ou da carne desenvolvida in vitro: uma cultura de células-tronco vai ser capaz de se reproduzir até formar um alimento igual aos que conhecemos hoje.

O PROBLEMA DA CARNE-COMO SUSTENTAR UM HÁBITO QUE AINDA FAZ PARTE DO CARDÁPIO DE MILHARES DE PESSOAS NO PLANETA

Hambúrguer de 325.000 dólares – Finalmente, depois de décadas de pesquisas e anos de expectativas, tudo indica que, ainda em 2013, a carne de laboratório vai se tornar realidade. O conceito é simples: produzir bifes a partir de células animais desenvolvidas in vitro. Na prática, chegar à carne sem a necessidade de criar e matar gado é uma tarefa difícil. A massa de células cresce, mas fica com a forma de uma gelatina. “É muito difícil dar à carne a estrutura que conhecemos. Ela é uma combinação complexa de tecidos, ligamentos, músculos e gordura”, diz o geneticista Stig Omholt, diretor do Centro de Genética Interativa da Universidade de Ciências Sociais da Noruega, que pesquisa o assunto há 15 anos. “Aparentemente, Mark Post conseguiu, ou está muito perto disso”.(nota pessoal;No Vegetarismo, podemos desenvolver muitas opções diferentes com nutrientes que necessitamos, sem precisar matar animais para comer, o que é uma característica das pessoas despertas e com uma consciência alimentar desenvolvida)

Chefe do Departamento de Fisiologia da Universidade Maastricht, na Holanda,Mark Post promete apresentar em Londres, nas próximas semanas, seu hambúrguer de laboratório, composto por 20.000 tiras finas de músculos. Por enquanto, um simples hambúrguer de 140 gramas vai sair pela bagatela de 325.000 dólares – o custo total necessário para sua produção. O preço deve cair à medida que os resultados do professor sejam reproduzidos e a indústria alimentícia se decida por aumentar os investimentos no setor; a carne in vitro representaria, de acordo com um estudo da Universidade Oxford, menos 35% a 60% de demanda por energia. Os laboratórios só usariam 2% das terras usadas por fazendas e emitiriam de 80% a 95% menos gases causadores do efeito estufa.

Para alcançar a consistência de bife, Gabor Forgacs, pesquisador da Universidade de Missouri, fundou a Modern Meadow, uma startup que está tentando desenvolver um suporte viável para as células animais usando impressoras 3D. Os resultados concretos não são esperados para esta década – primeiro, Forgacs pretende criar couro em laboratório.A ciência também está sendo aplicada em outras frentes. A engenharia genética e a nanotecnologia prometem mudar a cor, o tamanho e os nutrientes de alimentos que conhecemos bem. E as impressoras 3D vão dar um sentido totalmente novo ao ato de cozinhar.

Impressora na cozinha – Vários alimentos que prometem compor o prato do futuro estão em desenvolvimento. Uma equipe de pesquisadores americanos e israelenses já produziu tomates com aroma de limão. Israel, aliás, é um polo de desenvolvimento: os fazendeiros de lá já criaram pimentões com três vezes mais vitaminas, cenouras que se parecem batatas e bananas geneticamente modificadas para ficarem azuis – elas têm mais potássio, e a cor inusitada não tem objetivo algum, a não ser atrair os clientes mais curiosos e corajosos. Na Inglaterra, pesquisadores do Centro John Innes desenvolveram tomates roxos, geneticamente modificados para ter o dobro de antioxidantes e ajudar na prevenção de câncer.Em outra frente, nanopartículas aplicadas em sementes podem acusar se o alimento está contaminado por bactérias e matá-las. Quando em contato com a língua, também serão capazes de bloquear ou reforçar sabores. “Podemos imaginar maracujás muito mais doces, sem a sensação de azedo. Ou exatamente o contrário, dependendo da vontade do cliente”, afirma Christophe Pelletier. Na forma de embalagens, também podem preservar os nutrientes por mais tempo e, com isso, reduzir a necessidade de agrotóxicos durante o plantio-(nota pessoal;Devemos sempre prestar a atenção nestas pesquisas e ficarmos alertas para a manipulação genética destes alimentos, o que pode ser altamente prejudicial á saúde;por outro lado, podemos acentuar características benéficas e diminuir os agrotóxicos.Só o tempo dirá os benefícios e os malefícios destas técnicas)

O preparo dos alimentos também vai mudar. E ficar mais parecido com a cozinha dos Jetsons, desenho criado na década de 60 que retratava uma família futurista e no qual a comida era produzida por computadores – a mãe só precisava perfurar cartões (algo não muito futurístico) para fazer a encomenda para a máquina. A Nasa está investindo no projeto do engenheiro mecânico Anjan Contractor, que está desenvolvendo formas de transformar carboidratos, proteínas e nutrientes em pós, que poderão ser misturados de acordo com o gosto do cliente. Seria prático para os astronautas, que poderiam comer pizza no espaço, e também para as residências: pessoas de idade ou com dificuldade de locomoção, por exemplo, poderiam cozinhar sem esforço.

Segundo a Business Week, a rede americana de fast food Taco Bell deixou de lado a palavra carne em seus novos pratos, substituindo-a simplesmente por “proteína”. Uma forma de se antecipar ao advento da carne sintetizada? O futuro previsto em Os Jetsons ainda não chegou, mas parece cada dia mais próximo.

O DESAFIO ALIMENTAR DO PLANETA NOS PRÓXIMOS ANOS

Os impactos ambientais na agricultura criam problemas de instabilidade, escassez e volatilidade de preços de alimentos. Isto já é perceptível em alguns mercados, especialmente em países mais pobres e vulneráveis, que são severamente atingidos por extremos do tempo como enchentes e seca – e onde problemas estruturais como armazenamento e distribuição são agravados pela pobreza.

O mundo precisa urgentemente melhorar o modo como produz e consome alimentos. Nas próximas décadas, o setor agrícola, que emprega duas bilhões de pessoas, vai ter de fornecer comida suficiente para uma população crescente e ser um agente de desenvolvimento econômico social e econômico inclusivo. Os riscos ambientais, no entanto, aumentam.

Atualmente, usamos cerca de metade da vegetação do planeta para a produção de alimentos, de acordo com o World Resources Institute. A quantidade de terra utilizada pela agricultura cresceu em mais de dez milhões de hectares por ano desde os anos 1960, e a expansão das áreas de colheita e de pasto criam mais pressão sobre as florestas tropicais. Os espaços encolhem e os que restam são ameaçados por fenômenos criados pela própria atividade – a agricultura hoje responde por quase um quarto das emissões globais de gases de efeito estufa e 70% do uso de toda a água doce. Estas tendências tendem a se intensificar. Até 2050, o setor pode consumir 70% de todo o “orçamento” permitido de emissões consistente com a limitação ao aumento de temperaturas do planeta em até 2°C – limiar do cenário de desastre.Há um grande gap a ser fechado, e isto tem de ser feito de maneira sustentável, de forma a melhorar a vida de agricultores pobres e reduzir o impacto da atividade no ambiente, que traria degradação dos solos, escassez de água e efeitos adversos da mudança do clima.Mais de 800 milhões de pessoas vivem hoje em estado de insegurança alimentar, o que significa que estão periódicamente com fome. Existe um fosso de 69% entre as colheitas de calorias produzidas em 2006 e aquelas necessárias em 2050. Durante o mesmo período, a produção de leite e carne de pastos precisará crescer 40%, mais do que aumentou de 1962 a 2006.

“Bem-vindos à nova geopolítica da escassez de alimentos,” diz Lester Brown, fundador do WorldWatch Institute, e fundador e presidente do Earth Policy Institute, autor dePlaneta Cheio, Pratos Vazios – A Nova Geopolítica da Escassez Alimentar, de 2012. O influente pensador dizia já em 1978, em outra obra, que o mundo corria risco pela “sobrepesca, desmatamento e transformação de terra em deserto”.

Apenas na última década, diz ele, os estoques mundiais de grãos caíram em um terço. O súbito aumento de preços de alimentos, que dobraram entre 2007 e 2008, deixou mais pessoas famintas que em qualquer momento da história. Quando o período de abundância alimentar foi inaugurado, nos anos 1960, o mundo tinha 2 bilhões de habitantes. Hoje, tem 7 bilhões. De 1950 a 2000 houve saltos bruscos ocasionais de preços em grãos como resultado de eventos induzidos pelo tempo, mas seus efeitos eram de curta duração e logo tudo voltava ao normal. Normal é algo que não existe mais.

A escassez de alimentos provocou a queda de civilizações antigas como a dos sumérios e maias porque elas adotaram um modelo agrícola ambientalmente insustentável. E, enquanto nestes casos, a falência possa ser atribuída a duas tendências como desmatamento e erosão de solos, atualmente os problemas são de muitas naturezas, como a depleção dos aquíferos, o pico da produtividade de grãos e o aumento de temperaturas. Para países ricos como os EUA, onde as pessoas gastam 9% de sua renda com comida, não parece tão sério. Mas pense naqueles que gastam de 50 a 70% dos seus rendimentos para se alimentar, e no que acontece com eles quando os preços dobram. O número de pessoas com fome no planeta estava caindo nas últimas décadas do século 20, chegando a 792 milhões em 1997. A partir daí, começou a subir, chegando a 1 bilhão, e a situação mais grave é a encontrada no subcontinente indiano e na África Sub-saariana.

Há até o prejuízo causado a safras pelos automóveis. Extensões cada vez maiores de terras agricultáveis estão sendo usadas para a insana produção de biocombustíveis, que irão alimentar uma frota sedenta – caso de extensões imensas de solo compradas muitas vezes ilegalmente ou tomadas por corporações na África para alimentar veículos na Europa. E há poucos sinais de que líderes políticos estejam entendendo a magnitude da crise.

Outro especialista, Paul McMahon, aponta em O Delírio Alimentar: A Nova Política da Comida (2013) que o que se planta hoje é o bastante para alimentar 9 bilhões de pessoas, população projetada para 2050. Para aumentar a disponibilidade, é preciso reduzir o desperdício, e usar cereais para colocar nas bocas de seres humanos, e não de animais – o que acontece em escala crescente pelo consumo de proteína das novas classes médias de países emergentes. Em partes da África, por exemplo, a produção pode dobrar, se não houvesse falta de conhecimento, de acesso à tecnologia e mercado disfuncionais.

McMahon descreve um quadro utópico: “Imagine que não existam fronteiras, disparidades econômicas, ou relações desiguais de poder dentro de sociedades. Em vez disso, pensem o planeta como um sistema único que pode ser administrado para fornecer alimentos e outros serviços para a humanidade”. Porém, ele mesmo diz, a suposição é uma “fantasia”.

No clássico Saciados e Famintos: Poder e a Batalha Oculta pela Sistema Alimentar Mundial (2007), Raj Patel examina um paradoxo. Sua tese é que a existência simultânea de quase um bilhão de pessoas subnutridas e o mesmo número de gente com sobrepeso é na verdade um corolário de um sistema no qual um punhado de corporações tiveram permissão de se apropriar do valor da cadeia alimentar. As consequências sociais são desastrosas, apesar de toda a retórica neoliberal de livre comércio e escolha.

Em um seminário realizado em Roma pela organização de alimentos e agricultura da ONU em 2009 (FAO), Como Alimentar o Mundo em 2050, se advertiu que a agricultura irá ser forçada a competir por terra e água com o espalhamento urbano, será exigido que ela atue em outras frentes importantes: adaptação e mitigação da mudança do clima, ajuda para preservar habitats naturais, proteger espécies ameaçadas e manter um alto nível de biodiversidade. Como se estes desafios não bastassem, cada vez menos pessoas viverão no campo, e menos ainda serão agricultores.

As questões levantadas pela FAO são muitas e diversas. Seremos capazes de produzir comida a preços acessíveis ou preços maiores de alimentos vão levar mais pessoas à pobreza e fome. Quais são as novas tecnologias que nos ajudarão a utilizar recursos escassos com mais eficiência, aumentando e estabilizando safras? Estamos investindo o suficiente em pesquisa e desenvolvimento para que revoluções aconteçam a tempo? Quanto precisamos investir para ajudar a agricultura a se adaptar à mudança do clima, e o quanto ela pode contribuir para mitigar eventos extremos do tempo?

Caso não haja soluções para estes problemas, os custos sociais serão imensos. O peso para a economia global trazido pela desnutrição, como resultado de produtividade perdida e custos diretos de saúde, podem ser de até 5% do PIB mundial, equivalente a U$ 3.5 trilhões por ano, ou U$ 500 por pessoa. Os custos da subnutrição e deficiência de micronutrientes são estimados em 2% 3% do PIB global, equivalente a U$ 1.4 trilhão e U$ 2.1 trilhões por ano. Uma conta muito cara, em dinheiro e, principalmente, em vida perdidas.

A COMIDA DO FUTURO

Inovações buscam oferecer alimentos de maior qualidade a um consumidor cada vez mais consciente

A bebida Soylent, lançada em 2013 e hoje vendida nos Estados Unidos e no Canadá, pode ser considerada um dos símbolos da “comida do futuro”. A Soylent é um complexo vitamínico, composto por proteína de soja, óleo de algas e isomaltulose (um substituto do açúcar comum que é liberado mais lentamente no sangue). A propaganda avisa que a bebida atende a todas as necessidades alimentares do ser humano. Com o Soylent a pessoa não precisaria comer mais nada, ou seja, uma vida sem variedade de sabores, mas também sem panelas, fogão e sem idas ao supermercado no fim de semana, experiência vivida pelo criador da bebida, o engenheiro de software norte-americano, Rob Rhinehart. Como não precisa de refrigeração, a suposta comida do futuro economiza energia, custa mais barato que uma refeição normal e ainda reduz o impacto ambiental das inúmeras embalagens dos alimentos (a embalagem da Souylent é feita com material reciclável) e com transporte.  Será esse o modelo de alimentação no futuro?

A despeito de algumas vantagens, ainda não há trabalhos científicos investigando os efeitos do uso exclusivo de Soylent para a saúde. E ainda a questão do mesmo gosto todos os dias em todas as refeições. De acordo com depoimento de consumidores, a bebida, esbranquiçada e pastosa, tem um gosto insosso, ou seja, em se parece muito pouco com uma refeição de verdade.

Para Raul Amaral, coordenador da plataforma de inovação tecnológica, do Instituto de Tecnologia de Alimentos (Ital), vinculado à Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, uma coisa é certa: “o ser humano vai continuar a comer por prazer. É difícil imaginar a pessoa comer pensando no alimento apenas como remédio”, afirma. Já que não vamos ingerir sómente pílulas, como faziam os personagens da família Jetsons (série de desenho animado, exibida originalmente na década de 1960), para onde apontam as pesquisas na área de alimentos.

LEIA MAIS;
O futuro da alimentação,saúde,ambiente e economia-PDF

Qualidade e conveniência – Segundo diretor geral do Ital, Luis Madi, as novas gerações, sempre com celular em punho e fazendo duas ou mais atividades ao mesmo tempo, passam por um processo de “snackificação”, que não significa “comer qualquer coisinha” ou algo necessariamente ruim. “Existem refeições líquidas, como sopas, que podem ser feitas durante o expediente, embalagens que não sujam a mão, produtos que não soltam farelo, capazes de aliar qualidade ao ritmo do mundo de hoje”, diz. Trata-se de uma mudança na maneira tradicional de se alimentar. “Assistimos a uma fragmentação na divisão tradicional das refeições – café da manhã, almoço e jantar. Ela não acaba, mas, se não deu tempo, a ideia é que existam produtos com nutrientes para serem consumidos”, acredita Madi. “Não se trata de substituir refeições por aqueles shakes para emagrecer, mas de ter disponível um leque de possibilidades que componham uma alimentação adequada, dada uma nova realidade”, afirma.(nota pessoal;essa nova realidade implica tempo, e as novas demandas do sistema vingente,cada vez mais priorizam o tempo dedicado a manter esta estrutura em detrimento á saúde e o bem estar causado por uma alimentação natural e saudável-o preço á pagar por essas atitudes facilitadoras é alto, o que torna as pessoas sem a consciência alimentar necessária para a ascenção.)

As dietas tendem a ser mais equilibradas e personalizadas. Segundo Amaral, pesquisas na área da nutrigenômica, ciência que estuda a influência dos componentes dos alimentos em suas interações no genoma humano, indicam que será possível indicar, a partir do perfil genético da pessoa, o que é bom para ela ou não. 

Funcionais – Enquanto a nutrigenômica permanece no campo da teoria, as pesquisas sobre a relação entre alimentação e saúde, e nesse contexto o estudo da função cada alimento no organismo, já entrega diversos produtos nas prateleiras dos supermercados, os alimentos funcionais. De acordo com a Biblioteca Virtual em Saúde (BVS), a característica principal de um alimento funcional é fornecer, além das funções nutricionais, efeitos benéficos à saúde, redução do risco de doenças crônicas degenerativas, como câncer e diabetes, dentre outras. Um exemplo desse tipo de alimento, cuja ação foi comprovada cientificamente é o leite fermentado que possui lactobacilos. Eles favorecem as funções gastrointestinais, reduzindo o risco de constipação e câncer de cólon.

No entanto, é necessário ficar atento porque os alimentos funcionais precisam ser registrados na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e esse registro depende de um relatório científico detalhado, comprovando os benefícios e a segurança do alimento. “Alguns chamam esses produtos de “nutracêuticos”, uma mistura de alimento com fármaco. É possível encontrar muitos produtos com essa proposta na farmácia, mas nem todos têm seus benefícios comprovados cientificamente. Esse é o grande nó do funcional: não há uma relação direta entre comer e não ter a doença, não dá para garantir”, relativiza Madi. “E uma área repleta de desafios científicos”, afirma.

Sustentabilidade – A preocupação a sustentabilidade também tem produzido inovações na indústria de alimentos e novidades para o consumidor. Embalagens verdes para refrigerantes são um exemplo. Elas são produzidas com biopolímeros, um plástico fabricado a partir matérias-primas renováveis como cana-de-açúcar, milho, mandioca e batata, e óleos de girassol, soja e mamona. A principal vantagem é que eles se degradam rápidamente na natureza. Para se ter uma idéia, a garrafa de plástico feita com derivados do petróleo demora em média 40 anos para se decompor e o biopolímero demora, no máximo, 180 dias. Há também as embalagens interativas. De acordo com o diretor do Ital, algumas mostram se houve flutuação de temperatura de um produto congelado ou refrigerado, se o produto já passou da validade, podem absorver oxigênio e umidade para que não haja oxidação ou degradação por umidade no produto. Isso já existe no mercado, o problema ainda é o custo.

No futuro, o ato de se alimentar será muito mais criterioso e complexo. A comida tem adquirido outros significados: a qualidade, os efeitos na saúde e os impactos para o meio ambiente são questões que estarão cada vez mais presentes no ato de se alimentar;há uma tendência de melhora substancial na qualidade da alimentação porque comer será um ato mais consciente e talvez até mais prazeroso, dados os avanços tecnológicos. 

Você comeria?

Nos Estados Unidos, já existe barra de cereal feita de grilos e farinha composta por insetos. “Existe repulsa cultural do Ocidente, mas é uma alternativa que a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) propõe como solução para uma situação extrema de demanda por proteína”, explica o diretor do Ital, Luis Madi. A previsão é de que até 2050 a população mundial cresça para até 9 bilhões de pessoas, forçando aumento da produção de alimentos, com impactos diretos no meio ambiente, que já sofre com escassez de água. De acordo com a FAO, insetos comestíveis são fonte de proteína de alta qualidade, vitaminas e aminoácidos para os seres humanos. Grilos precisam de seis vezes menos alimento que o gado para gerar a mesma quantidade de proteína. Também pensando na questão da produção de carne, uma equipe de cientistas holandeses da Universidade de Maastricht, desenvolveu um hambúrguer feito de células do músculo de uma vaca. As células foram extraídas e colocadas numa solução (cultura) com nutrientes para crescimento e multiplicação. Segundo o Environment, Science & Tecnology Journal, um estudo independente mostrou que a carne de laboratório  Meat, está desenvolvendo uma carne feita a partir de plantas, com menos impactos ambientais. A promessa é que o produto tem o mesmo gosto da carne animal.

 

E os Alimentos Orgânicos?

A agricultura orgânica busca o equilíbrio e o desenvolvimento sustentável do meio ambiente, fauna, flora e ser humano, onde todos possam interagir com respeito. Alimentos orgânicos são aqueles cultivados sem insumos químicos, respeitando o meio ambiente e as relações sociais. É possível encontrar verduras, legumes, frutas,ovos e até cervejas e vinhos orgânicos.Como a produção orgânica objetiva a realização de processos produtivos em equilíbrio com o ambiente, no cultivo estão proibidos agrotóxicos sintéticos, adubos químicos e sementes transgênicas. As normas de certificação são rígidas. A produção deve obedecer a princípios rigorosos de manejo do solo, dos animais, da água e das plantas, buscando promover a saúde do homem, a preservação de recursos naturais e a oferta de condições adequadas de trabalho aos empregados.

O que diferencia a produção orgânica da convencional?

• Respeito ao ciclo das estações do ano e às características da região.

• Colheita de vegetais na época de maturação (sem indução).

• Rotação e consorciação de culturas.

• Uso de adubos orgânicos e reciclagem de materiais.

• Tratamentos naturais contra pragas e doenças dos vegetais e plantas invasoras manejadas sem herbicidas.

• Acesso dos animais a piquetes abertos.

• Alimentação orgânica e uso de práticas terapêuticas para cuidado com os animais.

• Produtos separados dos não-orgânicos, desde o manuseio ao maquinário e do transporte à venda.

• Prateleiras e geladeiras para a venda limpas e desinfetadas, sob critério e fiscalização das certificadoras.

• Propriedades que exploram os trabalhadores ou usam mão-de-obra infantil não recebem o certificado.

Vantagens nutricionais

Há quem questione as vantagens nutricionais dos alimentos orgânicos porque, em termos de macronutrientes (carboidratos, proteínas e gorduras), praticamente não há diferenças entre eles e os convencionais. No entanto, há estudos que comprovam que, como os vegetais cultivados sem agrotóxicos desenvolvem mais defesas naturais, os orgânicos possuem mais micronutrientes (minerais, vitaminas, fitonutrientes e antioxidantes), sintetizados como defesa natural contra os insetos e plantas competitivas. Para evitar o uso dos pesticidas, a produção orgânica busca criar outros mecanismos de controle das pragas, como o cuidado com a plantação e o reforço na adubação por esterco, gerando um modelo de produção mais dispendioso. E o processo de conversão para o modelo orgânico de cultivo ou de criação de animais exige providências como adaptações materiais, melhor remuneração do trabalhador e outros fatores que encarecem os produtos.Contra os argumentos de que as vantagens nutricionais não compensariam o preço, ou de que os resíduos de agrotóxicos nos alimentos poderiam ser eliminados com uma higiene adequada, os defensores dos orgâ- nicos argumentam que as vantagens vão além das nutricionais. O cultivo de orgânicos contribui com a conservação dos recursos naturais, com a recuperação da fertilidade do solo e com a qualidade de vida do trabalhador rural, e ajuda a reduzir a quantidade de produtos químicos que poluem a terra, a água e o ar.

(nota pessoal;A saúde, o bem-estar e a qualidade de vida de uma população de seres humanos decorrem da quantidade e qualidade dos alimentos consumidos por ela, assim como de seu estilo de vida. A integridade e a biodiversidade da flora e fauna subterrânea dispõe para as plantas uma variedade de nutrientes, o que acarreta melhor qualidade dos alimentos que ingerimos. Entretanto, a nutrição é o resultado da interação entre o alimento que ingerimos e o nosso organismo, isto é, o mesmo alimento pode ter efeitos distintos em pessoas diferentes. O alimento consegue exercer totalmente sua função quando o organismo está em condições de assimilá-lo, separar o que é aproveitável do que é dispensável, transformá-lo e transportá-lo aos tecidos que dele necessitam. É fundamental que o homem recupere sua sensibilidade e reconheça suas demandas essenciais, fazendo escolhas alimentares mais saudáveis diante de tantos novos produtos disponíveis nas prateleiras dos supermercados).

Fonte de pesquisas;

Christianne de Vasconcelos Affonso Nutricionista, Especialista em Qualidade de Vida e Atividade Física, UNICAMP/ Mestre em Ciência dos Alimentos, USP, Doutora em Tecnologia de Alimentos, UNICAMP

Leia mais;

Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) – http://www.anvisa.gov.br Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA) – http://www.embrapa.brMinistério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – http://www.agricultura.gov.br

ACABAR COM A FOME E FAZER A TRANSIÇÃO PARA SISTEMAS AGRÍCOLAS E ALIMENTARES SUSTENTÁVEIS E SAUDÁVEIS-UMA DAS METAS DO PROJETO DA NOVA TERRA

O futuro que queremos não se concretizará enquanto a fome e a subnutrição persistirem, e não se materializará também sem uma gestão sustentável dos sistemas agrícolas e alimentares. Para alcançar um mundo sem fome através do desenvolvimento sustentável os países e as economias do planeta devem comprometer-se a:

1. Acelerar o ritmo de redução da fome e da subnutrição, com vista a erradicá-los no futuro próximo.

2. Utilizar as Diretrizes Voluntárias para Apoiar a Realização Progressiva do Direito Humano à Alimentação Adequada no Contexto da Segurança Alimentar Nacional e as Diretrizes Voluntárias para uma Governação Responsável da Posse da Terra, Pescas e Florestas no Contexto da Segurança Alimentar Nacional, que formam o enquadramento geral para alcançar a segurança alimentar e um desenvolvimento sustentável e equilibrado.

3. Apoiar os esforços de todos aqueles que trabalham na alimentação e agricultura, especialmente nos países em desenvolvimento e menos desenvolvidos, para implementar abordagens técnicas e políticas para o desenvolvimento agrícola que integrem a segurança alimentar e os objetivos ambientais.

4. Assegurar uma distribuição equitativa dos custos e benefícios da transição para um consumo e uma produção agrícola sustentáveis, e para que os meios de subsistência das pessoas e o acesso aos recursos sejam protegidos.

5. Adotar abordagens integradas para a gestão de múltiplos objetivos e vincular as fontes de financiamento para alcançar a sustentabilidade dos sistemas agrícolas e alimentares.

6. Implementar reformas de governação com base nos princípios da participação, transparência e responsabilidade para assegurar que as políticas sejam realizadas e os compromissos sejam cumpridos. O Comité de Segurança Alimentar Mundial pode servir de modelo para essas reformas.

Os sistemas agrícolas e alimentares são fundamentais para pessoas e ecossistemas saudáveis ;Fundamentalmente, uma vida saudável e produtiva depende da segurança alimentar e nutricional. No entanto, centenas de milhões de pessoas sofrem de fome e de outras deficiências nutricionais, e a maioria dessas pessoas obtém a sua subsistência da agricultura. Devemos reconhecer que os milhões de pessoas que gerem sistemas agrícolas – desde os mais pobres até aos produtores mais comercializados – constituem o maior grupo de gestores de recursos naturais na Terra. As suas decisões, bem como as dos 7 bilhões de consumidores do mundo, são a chave para a segurança alimentar global e para a saúde dos ecossistemas mundiais. As condições necessárias para alcançar a segurança alimentar universal e a nutrição, a gestão ambiental responsável e uma maior equidade na gestão de alimentos cruzam-se nos sistemas agrícolas e alimentares ao nível global, nacional e local.Algumas considerações a serem feitas;

1-Os pequenos agricultores cultivam cerca de 80 % das terras aráveis em África e na Ásia.

2-Três quartos dos pobres e esfomeados do mundo vivem em áreas rurais e a maioria deles depende da agricultura e atividades relacionadas para a sua subsistência.

3- Quarenta por cento das terras degradadas do mundo estão localizados em áreas com altas taxas de pobreza.

4-Os ecossistemas agrícolas são de longe os maiores ecossistemas geridos em todo o mundo. A gestão sustentável dos recursos agrícolas é a chave para o desenvolvimento sustentável.

5-A agricultura e a pecuária usam 70 % de todo o consumo de água e, juntamente com a silvicultura, ocupam 60 % da superfície terrestre do planeta.

6-Apenas a produção animal utiliza 80% da área total de cultivo e pastagem.

7-Os sistemas alimentares consomem 30 % da energia do mundo.

8-Os oceanos cobrem 70 % da superfície da terra e sustentam a pesca e aquicultura; a aquicultura também é responsável por uma crescente parcela do uso da terra e da água doce.

9-A agricultura é responsável por cerca de 30% das emissões totais, e prevê-se que seja uma fonte significativa de crescimento das emissões no futuro.

AÇÕES ESSENCIAIS PARA ALCANÇAR O FUTURO QUE QUEREMOS:

1. Estabelecer e proteger os direitos aos recursos, especialmente para os mais vulneráveis; São necessários direitos de propriedade claros para promover o acesso equitativo e a gestão sustentável dos recursos. A posse tem implicações significativas para o desenvolvimento sustentável. Como a intensificação da concorrência global sobre recursos naturais, as assimetrias de poder podem levar os grupos mais vulneráveis a sofrer a perda de acesso aos recursos naturais. Os países e seus parceiros de desenvolvimento devem utilizar as Diretrizes Voluntárias para uma governação responsável da posse da terra, pescas e florestas no contexto da segurança alimentar nacional nas suas estratégias e políticas de segurança alimentar. As diretrizes são uma referência para leis e políticas que regulam o acesso e os direitos de propriedade de terras, pescas e recursos florestais. As diretrizes também podem proporcionar as melhores práticas a investidores e empreendedores e fornecer referências aos grupos da sociedade civil dos direitos à terra, para usarem no seu trabalho em nome das comunidades rurais.

2. Incorporar incentivos para consumo e produção sustentáveis em sistemas alimentares Para uma transição para um futuro de sistemas agrícolas e alimentares sustentável teremos de “produzir mais com menos” e as dietas terão de ser sustentáveis. Para que os consumidores individuais e os produtores tenham plenamente em conta o valor dos recursos naturais e o ambiente na sua tomada de decisões, os incentivos à produção e consumo sustentáveis devem ser incorporados no planeamento, instituições, tecnologias e cadeias de valor. A informação ao consumidor e a rotulagem, a regulamentação do teor de alimentos e da publicidade, melhores padrões de segurança alimentar e normas voluntárias de sustentabilidade podem promover o consumo sustentável. Reduzir o desperdício de alimentos não só vai aumentar a oferta de alimentos disponíveis, como também irá poupar os recursos naturais. A diminuição de 50 % nas perdas de alimentos e de desperdícios a nível mundial pode salvar 1.350 km3 de água por ano – quase quatro vezes a precipitação anual da Espanha. Do lado da produção, os incentivos podem ser criados através, nomeadamente, de uma melhor regulação da agricultura – poluição relacionada e utilização de insumos; políticas de crédito, extensão e insumos de abastecimento para apoiar práticas de produção sustentáveis; e pagamentos diretos por serviços ambientais.

3. Promover mercados agrícolas e alimentares justos e eficazes Mercados agrícolas e alimentares eficazes podem fornecer incentivos a produtores e consumidores para a transição para um consumo e produção sustentáveis. São necessárias mudanças fundamentais para conseguir um sistema mais justo e mais eficaz do comércio internacional, especialmente num momento de preços elevados e voláteis. Uma nova agenda para as negociações comerciais é necessária, com especial atenção para a salvaguarda das necessidades dos países com insegurança alimentar e importadores de alimentos, incluindo mais liberdade para que os países em desenvolvimento possam utilizar políticas domésticas para responder às suas necessidades de segurança alimentar. Atualmente existem laços mais fortes entre o mercado alimentar e o energético, e devem ser tomados cuidados para que as políticas agrícolas e de energia não agravem a volatilidade dos preços dos produtos. Do lado do consumo, medidas como aumento da flexibilidade nas políticas de biocombustíveis têm sido propostos para reduzir a pressão dos biocombustíveis sobre os mercados alimentares. A abertura dos mercados internacionais das matérias-primas e produtos de energia renovável para que a produção possa ocorrer onde for economicamente, ambientalmente e socialmente mais viável, também ajudaria a expandir o mercado e a reduzir a volatilidade. Melhorar as infraestruturas dos mercados internos e a construção de cadeias de valor acessíveis aos pequenos produtores e de baixos rendimentos aumenta os seus rendimentos agrícolas e facilitar o acesso aos alimentos.

4. Reduzir riscos e aumentar a resiliência dos mais vulneráveis Os mercados alimentares em muitos países em desenvolvimento não funcionam bem por causa da infraestrutura insuficiente, instituições fracas e da falta de regulamentação adequada. O bom funcionamento dos mercados domésticos suaviza a variabilidade, facilita a transferência de excedentes de alimentos para outros locais e gere as flutuações de preços ao longo do tempo. Melhores informações e transparência sobre a oferta, a procura e os stocks também podem reduzir a volatilidade nos mercados. Os pequenos agricultores ainda enfrentam riscos, tanto dos mercados como dos choques ambientais, pelo que reduzir a vulnerabilidade e aumentar a resiliência dos meios de subsistência e sistemas alimentares é cada vez mais importante, quer no contexto de emergência como de desenvolvimento. A redução de riscos e a adaptação às alterações climáticas devem ser integradas nas políticas nacionais de desenvolvimento (agrícola, de desenvolvimento rural, segurança alimentar e proteção social), bem como nos investimentos públicos. O objetivo deveria ser a ponte entre a resposta humanitária e a ajuda ao desenvolvimento.

5. Investir recursos públicos em bens públicos essenciais, incluindo a inovação e infraestrutura O financiamento público para a agricultura precisa de ser aumentado e reorientado para bens públicos essenciais, tais como inovação e infraestrutura e para a criação de um ambiente favorável ao investimento privado. Houve um sub-investimento significativo em bens e serviços públicos para a agricultura, especialmente aqueles de relevância para os pequenos produtores, e na co-gestão e gestão de base comunitária de recursos comuns, tais como pesca, florestas e recursos hídricos. A quantidade e qualidade do investimento para a investigação e divulgação sobre produção sustentável de alimentos e tecnologias de manuseio, bem como em infraestrutura física e institucional para facilitar o investimento privado necessário, tem de ser aumentada. Tecnologias para aumentar a resiliência, variedades de culturas resistentes à seca e ao calor, adaptadas às condições climáticas e geográficas locais e às necessidades dos pequenos agricultores, são claramente importantes no contexto da adaptação às alterações climáticas e gestão de riscos. Investimentos públicos específicos em bens públicos e nas instituições devem também apoiar o investimento privado a realizar uma agricultura sustentável. O investimento público pode aproveitar mais os grandes fluxos de investimento privado ao longo das cadeias de valor, criando um ambiente de investimento favorável e reduzindo as barreiras para a transição para sistemas sustentáveis.

CCAS – Conselho Cientifíco para Agricultura Sustentável

Leia mais;agricultura-urbana-agroecologica-auxilia-promocao-da-saude-revela-pesquida-da-USP/”Agenda-21-RIO-92-ou-ECO-92/capitulo-14-promocao-do-desenvolvimento-rural-e-agricola-sustentavel.html”

A QUESTÃO ECOLÓGICA URBANA E A QUALIDADE AMBIENTAL URBANAInstituto de Estudos Avançados da USP debate Agroecologia

***************************************************************************************************

CONCLUSÃO E NOTA DO BLOG

Atualmente recebemos muitas informações a respeito da saúde e da alimentação através da mídia. A cada dia surgem novos produtos alimentícios, novas tecnologias e algumas vezes ouvimos termos que, ao invés de esclarecer, tornam mais difíceis nossas escolhas alimentares do dia-a-dia. Termos como alimentos orgânicos, light, diet, funcionais, nutracêuticos e transgênicos já fazem parte do nosso vocabulário, mas existe ainda pouco esclarecimento sobre o que efetivamente significam e quais as diferenças entre eles. Estamos vivendo em um momento crítico da história da terra, na qual nós precisamos eleger o futuro que queremos. Os riscos são grandes para se seguir adiante. Todas as formas de vida inclusive a nossa está sob uma ameaça constante desencadeada pelo sapiens sapiens.Estamos em uma encruzilhada que cada vez mais nos obriga a enfrentar e repensar nosso destino comum. Nossos atuais hábitos de consumo são quase que totalmente insustentáveis, gerando cada vez mais destruição do meio que se vive, tornando todos os espaços de vivência e habitação em locais completamente artificiais. O ritmo evolutivo da nossa civilização a que chamamos e consideramos modernos podem ser considerados como de uma geração que ainda não alcançou a maturidade ambiental, não conseguiu perceber que quanto mais nos afastamos dos ciclos da natureza, mas estamos evocando o desequilíbrio ecológico de todas as formas de vida. Quase todos os espaços criados pelos seres humanos estão ultrapassando a escala humana de manejo, necessitando cada vez mais de tecnologias que contribuem para a criação e manutenção de espaços humanos completamente artificiais, onde tudo é manejado por controles e comandos eletro-eletrônicos. Controla-se o ar, a temperatura, a umidade, a refrigeração, a claridade, até a alimentação de todos que fazem parte deste mesmo ambiente, que a meu ver não pode ser considerado de ecossistema. As nossas casas estão cada vez mais se tornando em centrais poluidoras e distantes de serem considerados espaços que abrigam seres da natureza. O esforço individual de cada um de nós pode fazer a diferença e causar mudanças profundas. Somos muitos habitantes, mas se cada um iniciar por fazer algo, poderá redirecionar e mudar muitas coisas, espaços e cabeças. Precisamos ecologizar todos os espaços iniciando este processo por nossa consciência que permanentemente nos indica o que queremos e como fazer. A decisão é sua, e o apelo é a da natureza. Educando os filhos para a sustentabilidade, é a solução mais plausível e passível de conseguir resultados ,se quisermos que modelos de sustentabilidade possam virar e ser princípios norteadores de nossas ações presentes e futuras; temos que preparar as próximas gerações. A ecologização ainda não faz parte da nossa cultura, mas precisamos fazer com que ela se torne essencial.

EQUIPE DA LUZ É INVENCÍVEL

********************************************************************************************************************

Resultado de imagem para imagens sobre o filme star warsPosts relacionados;/boicote-a-monsanto-ogm-uma-lista-simples-de-empresas-a-evitar/”a-industria-dos-trangenicos-animais-brf-brasil-foods-sadia-e-perdigao-os-alimentos-frankenstein/”industria-dos-trangenicos-nestle-cargil-monsanto-pepsico-e-walmart-2/”ingredientes-quimicos-usados-nos-produtos-de-consumo-humano-listas-categorias-graus-de-toxicidade/”os-cientistas-da-nova-era-mehran-tavakoli-keshe-as-energias-limpas-o-reator-de-plasma-tecnologias-star-trek-decima-setima-parte/”transicao-planetaria-as-oportunidades-e-padroes-de-energia-cuidados-fisicosemocionaisnutricao-e-mudancas/”morrendo-para-viver-unidade-e-unicidade-ou-norma-corporativa/”

**********************************************************************************************************************

Bibliografia para consulta

Alimentação sem carne
Dr Eric Slywitch
 
 Pegada ecológica e sustentabilidade humana
 Genebaldo Freire Dias
A Vida Secreta da Natureza-Uma iniciação ecológica profunda
Carlos Cradoso Aveline
Guia para o Planeta Terra
 Dr Art Sussman
 Dharma Verde-Budismo ecológico para transformar sua vida diária
GEORG FEUERSTEIN & BRENDA FEUERSTEIN

 

 CONEXÕES OCULTAS, AS – CIÊNCIA PARA UMA VIDA SUSTENTÁVEL
Fritjot Capra

 

 40 CONTRIBUIÇÕES PESSOAIS PARA A SUSTENTABILIDADE
Genebaldo Freire Dias

Nota:Biblioteca VirtualCONSULTE NOSSO CANAL DE VÍDEOS

Divulgação: A Luz é Invencível

A “Luz é Invencível” tem por norma não publicar links que não estejam ligados ao texto postado.Pedimos a compreensão de todos, e para qualquer dúvida, temos nossa caixa de sugestões onde todos podem livremente fazer suas colocações que serão arquivadas para consultas posteriores.
Nós agradecemos a compreensão de voces.

 

Anúncios

7 comentários em “PROJETO TRANSIÇÃO DA TERRA-A grande hora da mudança-O futuro alimentar da humanidade- Produzindo alimentos preservando o meio ambiente e o ecossistema-Os alimentos orgânicos e os benefícios para os seres humanos e para o planeta-Parte 4

  1. Recebam meu abraço de gratidão pelos assuntos abordados.
    A alimentação natural se dará quando o ser humano se conscientizar do uso natural em todos os alimentos abolindo a carne e seus derivados.Observamos a ganância em ganhar dinheiro rápido.Chegaremos lá tenho certeza!!!

    Curtir

    • Olá Eunice

      Obrigado pelo comentário e pela presença.Seja bem vinda.

      Consideramos a alimentação uma das grandes pontes para a ascenção humana;aprender a conhecer o corpo físico através do que comemos, exige uma mudança radical de hábitos, e isso passa pela concientização do que realmente necessitamos para que a máquina do corpo funcione perfeitamente;Combinar direitinho os alimentos é tarefa de extrema importância para equilibrar a nutrição do dia a dia, evitando as carências e os excessos.Podemos sim, nos alimentar e com muito sabor sem carnes de animais sacrificados,o que dificulta a digestão e absorção de nutrientes, além de causar inúmeras doenças já comprovadas como arteriosclerose e câncer.Podemos optar por Leguminosas (feijões de todos os tipos, grão-de-bico, lentilha, ervilha seca, fava e soja/tofu);Vegetais de folhas verde-escuro;Oleaginosas, especialmente a castanha-de-caju;Sementes, como abóbora, girassol, gergelim, e seus derivados, como o tahine;Cereais integrais (arroz, quinua, aveia, trigo, cevada) e muitas outras opções que nos tornam mais alertas,nos cinco sentidos e mais além, pois não entopem os canais espirituais por onde passa a energia espiritual ou luz cósmica;Não existe só a ganância do dinheiro rápido, mas existe a coerção, o convencimento de que aquele “alimento” é fácil de preparar, rápido, econômico e pode ficar congelado por meses sem conservantes(propaganda enganosa);se as pessoas não consumirem, não haverá mercado; sem mercado, não tem dinheiro;tudo está em nossas mãos;mesmo o futuro nos propõe coisas que passam pela dúvida se serão saudáveis mesmo ou outro paliativo enganoso(?) para que passemos a consumir outras coisas disfarçadas de vitaminas e sais minerais…será que precisamos mesmo disso?Uma alimentação vegetariana bem cultivada orgânicamente e consumida com inteligência visando otimizar o organismo(medicina ortomolecular orgânica) não é mais do que suficiente para a saúde e o bem estar? Convém meditarmos e cada um de nós reavaliar seus próprios hábitos.Continue conosco.

      Muitas vibrações positivas da Equipe da Luz é Invencível

      Curtir

  2. Pingback: Projeto Transição da Terra – A grande hora da mudança – O futuro alimentar da humanidade – Produzindo alimentos preservando o meio ambiente e o ecossistema – Os alimentos orgânicos e os benefícios para os seres humanos e para

  3. A evolução do ser passa inevitavelmente pela desintoxicação física e energética. Mais as pessoas evoluem e menos comem carne, menos comem carne e mais evoluem. É lógico que o consumo de carne vai desaparecer naturalmente. Sabemos que a fome mundial é provocada pelas pessoas que consumem carne; temos aí uma situação de consciência e de responsabilidade individual e das consequências provocadas pela Lei do retorno. É reconhecido que são os animais criados pelo consumo que comem a ração diária de cereais destinada ao consumo humano. A solução para alimentar toda a humanidade é simples, basta “educar” as pessoas com este conhecimento.
    Grata com Luz Amor Alegria, Nicole.

    Curtir

    • Olá Nicole

      Obrigado pelo comentário e pela presença.Seja bem vinda

      Com certeza, os Grandes Mestres iluminados que passaram por este planeta eram vegetarianos, como Pitágoras, Einstein e outros;Os vegetarianos podem ficar tranquilos, os alimentos vegetais estão cheios de nutrientes incluindo bastante proteína, ferro e cálcio. Sendo vegetariano ou aderindo á uma alimentação natural, a chave para a saúde é simples: incluir uma grande variedade de alimentos diferentes em sua dieta – nenhuma fonte alimentar é nutricionalmente completa por si própria. Os vegetarianos escolhem grãos, vegetais, legumes, nozes, sementes e frutas. Ovos e derivados de leite são opcionais.Seria interessante observar que todas as outras vitaminas, minerais, gorduras e carbo-hidratos são encontrados em grandes quantidades no reino vegetal. Seria praticamente impossível criar uma dieta baseada em vegetais que não tivesse essas substâncias.

      Uma grande parte das doenças são provocadas por aditivos e conservantes(temos matérias no blog sobre isso) e na carne são utilizados os sulfitos;vamos nos concientizar em não transformar nosso corpo em um cemitério e preservar o meio ambiente e os animais, nossos amigos e companheiros de jornada.Nós da Equipe da Luz incentivamos a alimentação vegetariana e disponibilizamos livros na nossa BV para consulta e estudo.Voce também pode ler á respeito nesses livros excelentes;

      A Dieta Saudável dos Vegetais (Becoming Vegetarian), V. Melina, RD, B. Davis, RD,
      V. Harrison, RD. Um livro excelente escrito por três nutricionistas canadenses.

      -Kit do Vegetariano Iniciante (Vegetarian Starter Kit), Comitê dos Médicos pela Medicina Responsável (Physicians Committee for Responsible Medicine)

      – Parecer da American Dietetic Association sobre as Dietas Vegetarianas (Position of The American Dietetic Association: Vegetarian Diets)

      – Nutrição Vegan: Pura e Simples (Vegan Nutrition: Pure and Simple), Michael Klaper MD

      Continue conosco e nos ajude com a campanha da revolução verde e vegetariana,divulgando nosso post.

      Muitas vibrações positivas da Equipe da Luz é Invencível

      Curtir

    • Olá Sr Diogo

      Obrigado pelo comentário e pela presença.Seja bem vindo

      A Agricultura natural é um dos temas que abordaremos em nossos próximos posts sobre o projeto Terra, já que é á partir do fortalecimento e pureza do solo , que podemos obter plantas mais fortes e resistentes, utilizando forragem natural no plantio e adaptando as sementes para esta forma de agricultura em estufas;existem processos em desenvolvimento nos centros de pesquisa M.O.A.(fundação Mokiti Okada).Trabalhos recentes na USP em conjunto com o Centro de Pesquisa Mokiti Okada, divulgaram (out-2015),alguns dos resultados obtidos nas pesquisas realizadas no Projeto Citros, durante o 28° Congresso Brasileiro de Microbiologia em Florianópolis – SC,onde resultados expressivos foram obtidos utilizando as técnicas da agricultura natural e nas mais diferentes áreas da microbiologia, como solo, alimentos, ambiental, entre outras.Pesquisadores nacionais e internacionais integraram o programa científico do evento discutindo o papel da microbiologia e da agricultura natural perante os atuais desafios relacionados as mudanças climáticas, escassez de água, produção crescente de alimentos e conservação da biodiversidade.

      Muito inteligente sua citação e parabéns pelo conhecimento.Estará em breve em nossa pauta sobre assuntos ambientais no Projeto Terra, que visa esclarecer á todos as novas realidades do planeta nesta transição e mudanças de paradigmas; que possamos estar cada vez mais informados sobre alternativas dos muitos desafios que temos pela frente para que a população do planeta sobreviva ás mudanças e tenha uma melhor qualidade de vida com isso.Continue conosco.

      Muitas vibrações positivas da Equipe da Luz é Invencível

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s