ALERTA ALIMENTAR-Glúten: O que você não sabe pode matá-lo

Glúten: O que você não sabe pode matá-lo-Por Dr Mark Hyman-

Mark Hyman, médico e fundador do Centro do UltraBemEstar (UltraWellness Center) e pioneiro da medicina funcional. 

 Fonte-The Huffington Post

Se você come hambúrgueres com queijo ou batatas fritas todos os dias ou bebe seis refrigerantes por dia, sabe provavelmente que está encurtando a sua vida. Mas comer um pedaço de pão integral escuro e delicioso – como pode isso ser mau?Bem, o pão contém glúten, uma proteína encontrada no trigo, cevada, centeio, aveia . Está escondida na pizza, massas, pão e em todo o tipo de comidas processadas. Claramente, o glúten é um alimento base da dieta Americana e ganhou espaço enorme nas dietas ao redor do mundo.

O que a maioria das pessoas não sabem é que o glúten pode causar complicações de saúde sérias para muitos. Você pode estar em risco mesmo não tendo um diagnóstico completo da doença celíaca.

Os perigos do glúten

Um recente grande estudo descrito no Jornal da Associação Médica Americana descobriu que pessoas diagnosticadas, não diagnosticadas e com doença latente celíaca ou sensibilidade ao glúten têm um maior risco de morte, maioritariamente de doenças cardíacas e câncer .O estudo utilizou quase 30.000 pacientes desde 1969 até 2008 e examinou mortes em três grupos: aqueles com um diagnóstico completo da doença celíaca, aqueles com inflamação intestinal mas não com um diagnóstico completo da doença celíaca e aqueles com doença celíaca latente ou sensibilidade ao glúten (elevados anticorpos de glúten mas com biopsia intestinal negativa).As descobertas foram dramáticas. Houve um aumento de 39% no risco de morte daqueles com doença celíaca, um aumento de 72% naqueles com inflamação intestinal relacionada com glúten e 35% de aumento naqueles com sensibilidade ao glúten mas não com doença celíaca.Isto é uma pesquisa inovadora que prova que não é necessário ter um diagnóstico completo da doença celíaca com uma biopsia positiva intestinal (que é o que o pensamento convencional nos diz) para ter sérios problemas de saúde e complicações – até morte – com causa na ingestão de glúten.Ainda assim uns estimados 99% de pessoas que têm problemas com a ingestão de glúten nem sabem disso. Atribuem a sua falta de saúde ou sintomas a outra qualquer coisa, e não à sensibilidade ao glúten, que é curável a 100%.

E aqui ficam mais algumas noticias chocantes …

Outro estudo comparando o sangue de 10.000 pessoas de à 50 anos atrás com 10.000 pessoas actuais, descobriu que a incidência da doença celíaca aumentou em 400% (anticorpos TTG) durante este período de tempo.  Se nós víssemos um aumento de 400% em doenças cardíacas ou câncer, isto seriam noticias de manchete. Mas não ouvimos nada sobre isto.

Problemas de glúten não diagnosticados custam ao serviço de saúde Americano rios de dinheiro. O Dr. Peter Green, Professor de Medicina Clínica no Colégio de Médicos e Cirurgiões na Universidade de Colômbia estudou todos os 10 milhões de subscritores do CIGNA e descobriu que aqueles que foram corretamente diagnosticados com a doença celíaca usavam menos serviços médicos e reduziram os seus custos de saúde em 30%.  O problema é que apenas 1% daqueles com o problema foram realmente diagnosticados. Isso significa que 99% sofrem sem saberem disso, custando ao sistema de saúde milhões de dólares.E não são apenas alguns que sofrem, mas milhões. Muitas pessoas  têm sensibilidade ao glúten do que você pensa – especialmente aqueles que estão crônicamente doentes. A forma mais séria de alergia ao glúten, a doença celíaca, afeta uma em cem pessoas, ou três milhões de Americanos, a maioria dos quais não sabe que a têm. Mas formas menos sérias de sensibilidade ao glúten são ainda mais comuns e podem afetar até um terço da população mundial.

Porque é que você não ouviu muito sobre isto?

Bem, em boa verdade ouviu, mas não se apercebeu disso. A doença celíaca e a sensibilidade ao glúten mascaram-se como dezenas e dezenas de outras doenças com diferentes nomes.

Sensibilidade ao glúten: uma causa, muitas doenças

Um artigo cientifico no New England Journal of Medicine (Jornal de Medicina de Nova Inglaterra) listou 55 doenças que podem ser causadas pela ingestão de glúten.  Estas incluem osteoporose, síndrome do cólon irritável, síndrome do cólon inflamado, anemia, câncer, fadiga, aftas,  artrite reumatóide, lúpus, esclerose múltipla, e quase todas as outras doenças auto-imunes. O glúten também é ligado a muitas doenças psiquiátricas  e neurológicas, incluindo ansiedade, depressão,  esquizofrenia,  demência, enxaquecas, epilepsia, e neuropatia (nervos danificados). Também foi ligada ao autismo. Pensávamos que os problemas derivados do glúten ou da doença celìaca estavam confinados a crianças que tinham diarréia, perda de peso, e que tinham problemas de crescimento. Agora sabemos que se pode ser velho, gordo e constipado (prisão de ventre) e mesmo assim ter a doença celíaca ou sensibilidade ao glúten.

A sensibilidade ao glúten é realmente uma doença auto-imune que cria inflamação em todo o corpo, com efeitos variados em todos os sistemas de órgãos incluindo o cérebro, coração, articulações, trato digestivo e outros. Pode ser a única causa por detrás de muitas “doenças” diferentes. Para corrigir estas doenças, você precisa  tratar a causa – que é usualmente a sensibilidade ao gluten – e não apenas os sintomas.É claro que, isto não significa que todos os casos de depressão ou doenças auto-imunes ou qualquer destes problemas são causados pelo glúten em todos – mas é importante tê-lo em conta se tiver alguma doença crônica.Não identificando a sensibilidade ao glúten e a doença celíaca, nós criamos sofrimento desnecessário e morte a milhões de pessoas. Problemas de saúde causados por sensibilidade ao glúten não podem ser tratados por medicação; Eles podem apenas ser resolvidos através da eliminação total do glúten da  dieta.A questão que fica é: porque que somos tão sensíveis a este elemento básico da nossa dieta?

Existem muitas razões …

Elas incluem a nossa falta de adaptação genética a ervas, e particularmente ao glúten, na nossa dieta. O trigo foi introduzido na Europa durante a Idade Média, e 30% das pessoas de descendência Européia possuem o gene da doença celíaca (HLA DQ2 ou HLA DQ8), (xii) o que aumenta a susceptibilidade de problemas de saúde derivados da ingestão de glúten.As variantes Americanas de trigo têm um muito maior conteúdo de glúten (que é necessário para fazer pães gigantes leves e fofos) do que aquelas tradicionalmente encontradas na Europa. Este super- glúten foi recentemente introduzido na nossa fonte de comida agrícola tendo infectado quase todas as variantes de trigo na América.

Para descobrir se é uma entre as milhões de pessoas que sofrem de uma doença não identificada e tem sensibilidade ao glúten, siga este procedimento simples.

A dieta de eliminação/reintegração

Enquanto testes podem identificar sensibilidade ao glúten, a única maneira de saber se isto é realmente um problema ,é eliminando todo o gluten por um período curto de tempo (2 a 4 semanas) e verificar como se sente. Abstenha-se das seguintes comidas:

1-Glúten (cevada, centeio, aveia, espelta, trigo) – ver http://www.celiac.com para uma lista completa de alimentos que contém glúten, como também outras fontes escondidas de glúten).

2-Fontes escondidas (sopas instantâneas, acompanhamentos de saladas, molhos, algumas vitaminas, medicamentos)

Para este teste funcionar tem de eliminar o glúten da sua dieta  100% – sem exceções, sem glúten escondido, e nem uma migalha de pão.Depois coma-o de novo e verifique o que acontece. Se  sentir-se de alguma maneira mal, necessita  se abster de glúten para sempre. Isto vai ensiná-lo, melhor do que qualquer teste, sobre o impacto que o glúten tem no seu corpo.

Mas se ainda estiver interessado em testes, aqui estão algumas coisas a ter em mente.

Existem testes para a alergia ao glúten/doença celíaca que estão disponíveis através da Labcorp e Quest Diagnosis. Todos estes testes ajudam a identificar várias formas de alergias e sensibilidade ao glúten ou ao trigo. Eles procuraram pelos seguintes aspectos:

1-anticorpos IgA anti gliadina

2-anticorpos IgG anti gliadina

3-anticorpos IgA anti Endomísio

4-Anti-Transglutaminase Tecidual (IgA e IgG em casos questionaveis)

5-Total de anticorpos IgA

6-HLA DQ2 e DQ8 genótipos para a doença celíaca (usado ocasionalmente para detectar susceptibilidade genética)

7-Biopsia Intestinal (raramente necessária se os anticorpos de gluten forem positivos – baseado na minha interpretação do estudo recente)

Quando se fizer estes testes existem algumas coisas que se devem ter em mente.

À luz da nova pesquisa feita em relação aos perigos da sensibilidade ao glúten sem um diagnóstico completo da doença celíaca, é considerado qualquer elevação de anticorpos significante e merecedora de uma experiência de eliminação de glúten. Muitos médicos consideram elevados níveis de anticorpos anti-gliadina na ausência de uma biopsia intestinal positiva um “falso positivo”. Isto quer dizer que o teste parece positivo mas realmente não é significante.Já não podemos dizer tal coisa. Positivo é positivo e, como com todas as doenças, existe um continuo, desde uma leve sensibilidade ao glúten até um diagnóstico completo da doença celíaca. Se os seus anticorpos estão elevados, deve eliminar glúten e verificar para ver se este é a origem dos seus problemas de saúde.

Se por um lado a doença celíaca afeta apenas 1% da população, por outro, um grande percentual sofre de sensibilidade ao glúten.Isso quer dizer que estas pessoas não são totalmente intolerantes à proteína, mas sentem efeitos que vão de confusão mental à depressão.Segundo um estudo publicado no jornal Alimentary Pharmacology & Therapeutics, pessoas com esta sensibilidade tem mais tendência a sentir sintomas de depressão quando consomem glúten.

Agora veja – aquele pedaço de pão pode não ser tão completo como parecia! Siga o conselho para verificar se o glúten é a causa escondida dos seus problemas de saúde. Simplesmente eliminando esta substância insidiosa da sua dieta, pode ajudá-lo a atingir uma vibrante saúde durante a sua vida.

Como viver sem glúten sem sacrificar a sua vida social ?

POR JENNIFER BLANCHARD
Nota;Jennifer Blanchard curou seus problemas de saúde misteriosos (acne adulta, RGE, azia, ansiedade), com uma dieta sem glúten e sem leite. Ela é agora  “Certified Holistic Health Coach at Healthy Gluten-Free”, onde mostra que as pessoas com doença celíaca e sensibilidade ao glúten precisam comer naturalmente sem glúten, para que possam curar seus sintomas, sem abrir mão dos alimentos que amam – ou suas vidas sociais. 
“Quando passei a viver sem glúten três anos e meio atrás, um dos meus primeiros pensamentos foi: “Bem, lá se vai minha vida social.” Afinal, encontros e eventos sociais geralmente giram em torno de comida, e a maioria dos alimentos que você encontra em lugares como bares, restaurantes, conferências de trabalho e eventos tem glúten. Imaginei que estar perto de tudo que tem glúten me faria querer comê-lo de vez em quando – mas eu sabia que o meu corpo não queria isso.
O que é um dilema. 
Então, isso ficou para trás. Eu recusei convites para sair com os meus amigos e eu desisti de quaisquer reuniões onde eu sabia que não haveria nada para eu comer. No meu dia de trabalho eu fiquei na minha mesa enquanto todos os outros foram para o refeitório  comemorar o aniversário de alguém e comer bolo.
Mas então eu me cansei disso. 
Comer sem glúten era algo que eu sabia que tinha de manter para toda a minha vida, e eu não conseguia ficar me punindo por isso. Então, logo em seguida eu me dei uma missão: retomar a minha vida social. E eu fiz exatamente isso.
Veja como você pode fazê-lo, também:
1. Leve  lanches que você ama para essas ocasiões
Eu sempre tenho comigo  lanches sem glúten gostosos na minha bolsa, para quando eu sei que nós estamos indo para algum lugar onde eu não vou encontrar alimento sem glúten seguro. Dessa forma, eu posso desfrutar de um alimento, como todos do grupo.
2. Tenha sempre em mente o porquê você vive sem glúten                
Estar perto de alimentos com glúten, com um cheiro delicioso, pode ser difícil no início. As lembranças do que você costumava comer podem fazer você querer comer só um pouquinho para relembrar os velhos tempos. O que ajuda é lembrar porque você está livre de glúten, para começar. Para mim, é de como eu me sinto muito melhor a cada dia – e por quanto incrível a minha pele parece agora.
Eu sei que eu nunca mais quero voltar para onde a minha saúde estava há alguns anos atrás. Essa é a minha motivação para não tocar em qualquer um dos alimentos cheios de glúten que as pessoas ao meu redor estão comendo.
3. Leve uma preparação sem glúten                                                                          
Quando você vai a um evento ou reunião na casa de alguém, você provávelmente não terá qualquer controle sobre o que eles estão servindo. Para evitar o constrangimento de quem te convidou ficar pedindo desculpas depois que descobre que você não pode comer qualquer coisa que vai ser servida na ocasião, esteja preparado (acredite,  é divertido): leve um prato com um alimento seguro para você.
Faça algo que você ama que é tão delicioso que ninguém vai saber ou se importar que ele seja livre de glúten. Os anfitriões vão apreciar o gesto, e desta forma você poderá garantir que não vai morrer de fome, enquanto todo mundo está comendo. Se você se sentir confortável com os anfitriões, você poderá fazer contato com antecedência e ver o que está planejado para ser servido. Assim você poderá fazer um prato que complemente o cardápio. Além disso, você vai ser capaz de descobrir se, de fato, eles poderão fazer alguma coisa que você possa comer.
4. Receba em sua casa                                                                                               
Uma ótima maneira de poder comer deliciosos e seguros alimentos sem glúten é organizar alguns dos seus encontros sociais. Crie um menu de seu gosto com receitas sem glúten e peça às pessoas para levarem uma bebida de sua escolha. É uma forma divertida de dar oportunidade às pessoas de experimentarem coisas novas, e você poderá comer de forma segura tudo, o que é incrível.
5. Você sempre em primeiro lugar                                                                            
Às vezes, ser uma pessoa muito amável e aceitar tudo não é a melhor opção quando as suas necessidades de uma vida sem glúten não podem ser acomodadas. Neste caso, é melhor apenas dizer “dane-se” e encontrar uma maneira segura de cuidar  de si mesmo em primeiro lugar.Por exemplo, há anos atrás, quando eu ainda estava trabalhando num grupo corporativo, recebi convites para o almoço anual de férias. O convite chegou com pelo menos um mês de antecedência, o que teria sido tempo suficiente para eu entrar em contato com alguém sobre a comida.Em vez disso, cada e-mail que enviei peguntando sobre o que estaria no menu do evento foi ignorado. Quando o dia do evento chegou, eu estava tão irritada que não fui quando todos saíram para ir ao restaurante, onde o almoço estava sendo realizado.
Fui para o meu restaurante mexicano favorito e tinha um delicioso almoço sem glúten e, em seguida, fui a uma pedicure. Voltei para o escritório, ao mesmo tempo que o resto do grupo. Ser livre de glúten não tem que ser uma sentença de morte para a sua vida social. Você apenas tem que ser criativo e encontrar ou criar maneiras de comer sem glúten, enquanto ser sociável, ao mesmo tempo”.
ASSISTA O VÍDEO DO DR LAIR RIBEIRO EXPLICANDO O PORQUE O GLÚTEN FAZ MAL;AS CONSEQUÊNCIAS DO CONSUMO DIÁRIO DE GLÚTEN

****************************************************************************************************************

Trigo transgênico é culpado por epidemia de obesidade, diz cardiologista

De acordo com o médico cardiologista norte-americano Willian Davis, a epidemia de sobrepeso e obesidade que acomete a sociedade atual é culpa do trigo genéticamente modificado. “O cereal mais popular do mundo é também o produto alimentício mais destrutivo. O trigo moderno nada tem a ver com o trigo verdadeiro”, afirma ele no livro Barriga de Trigo, da Editora Martins Fontes.

Segundo Davis, a principal proteína dos grãos transgênicos é o glúten, que estimularia ainda mais o apetite, com a exposição do cérebro às exorfinas. Esse estimulante dos receptores opioides – assim como a heroína – levariam a um verdadeiro vício no consumo de produtos derivados do trigo, diz o médico.

“Se você está com sobrepeso, pré-diabetes, pressão alta e colesterol elevado, dê adeus ao trigo. Não tem paralelo entre os grãos modernos em sua capacidade de se converter em glicose no sangue. O consumo produz transtornos neurológicos, diabetes, doenças cardíacas, artrites e até delírios esquizofrênicos”, alerta.

“As mudanças genéticas foram introduzidas principalmente com o objetivo de aumentar a produção da área cultivada. A produção média de uma fazenda moderna norte-americana é mais de dez vezes maior que a de fazendas de um século atrás. Passos gigantescos na produção de trigo exigiram mudanças drásticas no código genético da planta (…). Mudanças genéticas dessa natureza tiveram o seu preço”, explica Davis.

*************************************************************************************************************

RECEITAS TESTADAS E APROVADAS-baixe o livro de receitas em PDF

http://www.riosemgluten.com/sabores_da_cozinha_sem_gluten_josy_gomez.pdf

Bolo de iogurte e limão Sem Gluten

O que precisamos:
1 iogurte natural
1 medida (copo de iogurte) de açucar mascavo
2 medidas (copo de iogurte) de farinha sem glúten 
1 colher de sobremesa de fermento
1/2 colher de sobremesa de goma xantana 
1 medida (copo de iogurte) de óleo 
4 ovos
2 limões 

Pré-aquecer o forno a 180ºC.
Untar a forma com margarina e farinha.

Mãos na massa:

Juntar as gemas, uma a uma, ao açúcar  e mexer bem, ate que o açúcar se dissolva. Adicionar o iogurte e misturar.Adicionar a farinha, o fermento e a goma xantana alternando com o copo de óleo.
Por fim, envolver levemente as claras em castelo, no preparado e juntar as raspas de limão.
Levar ao forno, pré-aquecido, durante 30-35 minutos. 
Bom apetite

 

Leia mais;Receitas, dicas e mil truques para viver sem gluten;

http://saboresdacozinhasemgluten.blogspot.com.br/p/viva-sem-gluten.html

Referências

(i) Ludvigsson JF, Montgomery SM, Ekbom A, Brandt L, Granath F. “Small-intestinal histopathology and mortality risk in celiac disease.” JAMA. 2009 Sep 16;302(11):1171-8.

(ii) Rubio-Tapia A, Kyle RA, Kaplan EL, Johnson DR, Page W, Erdtmann F, Brantner TL, Kim WR, Phelps TK, Lahr BD, Zinsmeister AR, Melton LJ 3rd, Murray JA. “Increased prevalence and mortality in undiagnosed celiac disease.” Gastroenterology. 2009 Jul;137(1):88-93

(iii) Green PH, Neugut AI, Naiyer AJ, Edwards ZC, Gabinelle S, Chinburapa V. “Economic benefits of increased diagnosis of celiac disease in a national managed care population in the United States.” J Insur Med. 2008;40(3-4):218-28.

(iv) Farrell RJ, Kelly CP. Celiac sprue. N Engl J Med. 2002 Jan 17;346(3):180-8. Review.

(v) Sedghizadeh PP, Shuler CF, Allen CM, Beck FM, Kalmar JR. “Celiac disease and recurrent aphthous stomatitis: a report and review of the literature.” Oral Surg Oral Med Oral Pathol Oral Radiol Endod. 2002;94(4):474-478.

(vi) Margutti P, Delunardo F, Ortona E. “Autoantibodies associated with psychiatric disorders.” Curr Neurovasc Res. 2006 May;3(2):149-57. Review.

(vii) Ludvigsson JF, Reutfors J, Osby U, Ekbom A, Montgomery SM. “Coeliac disease and risk of mood disorders–a general population-based cohort study.” J Affect Disord. 2007 Apr;99(1-3):117-26. Epub 2006 Oct 6.

(viii) Ludvigsson JF, Osby U, Ekbom A, Montgomery SM. “Coeliac disease and risk of schizophrenia and other psychosis: a general population cohort study.” Scand J Gastroenterol. 2007 Feb;42(2):179-85.

(ix) Hu WT, Murray JA, Greenaway MC, Parisi JE, Josephs KA. “Cognitive impairment and celiac disease.” Arch Neurol. 2006 Oct;63(10):1440-6.

(x) Bushara KO. “Neurologic presentation of celiac disease.” Gastroenterology. 2005 Apr;128(4 Suppl 1):S92-7. Review.

(xi) Millward C, Ferriter M, Calver S, Connell-Jones G. “Gluten- and casein-free diets for autistic spectrum disorder.” Cochrane Database Syst Rev. 2004;(2):CD003498. Review.

(xii) Green PH, Jabri B. “Coeliac disease.” Lancet. 2003 Aug 2;362(9381):383-91. Review

*****************************************************************************************************************

Resultado de imagem para imagens sobre o filme star warsPosts relacionados;INGREDIENTES QUÍMICOS USADOS NOS PRODUTOS DE CONSUMO HUMANO-Listas–categorias– graus de toxicidadeVOCE SABE O QUE ESTÁ COMENDO? A MÁFIA DO CODEX ALIMENTARIUSA INDÚSTRIA DOS TRANGÊNICOS ANIMAIS-BRF BRASIL FOODS-Sadia e Perdigão-Os alimentos “Frankenstein”INDÚSTRIA DOS TRANGÊNICOS- Nestlé, Cargil, Monsanto, Pepsico e WalmartALERTA-Alimentação Industrializada Usada Como ControleA farsa da coca cola verde-O desespero para manter-se no mercado e o consumidor incauto paga a conta

************************************************************************************************************************

Nota:Biblioteca VirtualCONSULTE NOSSO CANAL DE VÍDEOS

Divulgação: A Luz é Invencível

A “Luz é Invencível” tem por norma não publicar links que não estejam ligados ao texto postado.Pedimos a compreensão de todos, e para qualquer dúvida, temos nossa caixa de sugestões onde todos podem livremente fazer suas colocações que serão arquivadas para consultas posteriores.
Nós agradecemos a compreensão de voces.
Anúncios

7 comentários em “ALERTA ALIMENTAR-Glúten: O que você não sabe pode matá-lo

    • Olá Sr Sebastião

      Obrigado pelo comentário e pela presença

      Nós da Equipe da Luz ficamos contentes em realizar este trabalho de concientização que começa pela alimentação,pois um corpo sadio é um corpo apto para realizar e vivenciar grandes coisas.O senhor pode baixar o livro de receitas que está no final do post em PDF,tem muitas opções gostosas ,fáceis e baratas.Nós agradecemos e retribuímos os votos de paz e harmonia.

      Muitas vibrações positivas da Equipe da Luz é Invencível

      Curtir

  1. Fiquei meio na dúvida sobre se aveia tem glúten ou não, na maior parte do texto diz que não, mas no quadro onde apresenta grãos que não tem glúten a aveia foi incluída.

    Curtir

    • Olá Cátia

      Obrigado pelo comentário e pela presença

      Sua dúvida é muito comum e a resposta é não. O glúten é uma proteína encontrada em cereais como trigo, centeio e cevada. Já a aveia possui outro tipo de proteína chamada de avenina. Entretanto, a aveia é normalmente cultivada no mesmo terreno que esses grãos em um processo chamado de rotação, onde em uma temporada é plantada a aveia, na outra o trigo, depois o centeio e depois a aveia novamente. O sistema de rotação é uma das melhores maneiras de manter a terra naturalmente fértil, mas esse processo pode deixar para trás algumas sementes de centeio, cevada ou trigo que levam à contaminação da plantação de aveia pelo glúten.

      Alguns estudos já demonstraram a segurança do consumo de aveia em dietas livres de glúten e recentemente em um estudo publicado na revista Nutrients, pesquisadores acompanharam durante oito anos 106 adultos com doença celíaca que foram divididos em 2 grupos: um grupo consumiu 20g de aveia todos os dias e um grupo controle não consumiu aveia. Os pesquisadores avaliaram a ingestão diária de aveia e fibras, a morfologia do intestino delgado e os sintomas gastrintestinais. Os autores observaram que aqueles que consumiram aveia apresentaram uma ingestão de fibras significativamente maior do que aqueles que não consumiram e que o consumo de aveia, em curto e longo prazo, não danificou as vilosidades da mucosa intestinal. Por isso, foi concluído que o consumo de aveia em longo prazo por essa população não gerou efeitos prejudiciais.

      Obrigada pela pergunta, que ajudou a complementar o post.

      Muitas vibrações positivas da equipe da Luz é Invencível

      Curtir

  2. Pingback: Alerta Alimentar – Glúten: O que você não sabe pode matá-lo – 21.08.2016 | Senhora de Sírius

    • Olá Sr Leando

      Obrigada pelo comentário e pela presença

      Tudo que é feito esporádicamente constitui um hábito.A tal bebida de fim de semana, o tal churrasco,a tal torta cheia de glúten e açúcar da sua avó;tem coisas que nem esporádicamente podemos fazer,pois se é nocivo para a saúde,não devemos incentivar;Temos milhões de células estranhas se multiplicando por dia em nosso organismo, inclusive as cancerosas, que estão sempre esperando uma oportunidade para invadir algum órgão e se instalar;se o nosso sistema imunológico estiver fortalecido e na condição certa, elas serão eliminadas;senão, aguentaremos as consequências dos “hábitos, dito esporádicos”,pois, salvo alguma modificação genética do tipo mutação, o resto é alimentação!!

      Tem pessoas que fazem exames periódicos e nada constatam ,porque as tais máquinas de ultrasom não alcançam ainda a precisão celular que seria necessária para detectar certas anomalias,e então, achamos que não temos nada.Tem certas coisas que tem de ser cortadas radicalmente, pois estamos nas mãos de cartéis e elites dominantes financeiras que visam nosso estado de dependência e doença, afim de obter lucros astronômicos.Não pense que o pão que comemos é o mesmo do tempo de Cristo,nem é ao menos o pão dos nossos pais!!

      Fique á vontade para suas considerações

      Muitas vibrações positivas da Equipe da Luz é Invencível

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s